Matérias correlatas
  • Brasil
  • Miolo

  • "Os franceses que me perdoem, mas eu gostei muito mais do Gamay brasileiro, um vinho mais fresco, mais adaptado ao nosso clima. Foi muito bem trabalhado pela Miolo e tem tudo para popularizar o vinho com boa qualidade. Tenho grande prazer em bebê-lo!"

    Célio Alzer
    Ex-presidente da ABS-RJ
    Miolo, a casa França-Brasil

    Beaujolais grita tanto que faz uma lavagem cerebral: quando a gente ouve falar em Gamay, pensa logo naquela região marqueteira e aeronáutica! E termina se esquecendo que essa casta é tradicionalmente plantada no Loire, particularmente na região de Touraine, onde é a principal casta tinta de seus vinhos.

    Nós, enófilos, esquecemos, mas a Miolo não... E foi buscar exatamente no Loire, o papa da Gamay, Henry Marionnet, produtor do Domaine de la Charmoise, para assessorá-la na produção do novo Miolo Gamay 2009.

    Uma das novidades da nova safra é que as uvas são plantadas na Campanha Gaúcha. E essa é apenas uma delas, pois os métodos de produção adotaram cuidados recomendados pelo francês, tais como a colheita manual dos cachos e a seleção da uvas.

    O resultado de tanto esmero foi um vinho com uma belíssima cor grená, bem límpida e transparente, com intensos aromas de framboesa e uma boca macia e persistente. Um vinho que despertou grande admiração entre os formadores de opinião presentes ao evento.

    Contando com a presença dos enólogos francês e brasileiro, Adriano Miolo, a noite foi requintada e agradável. Após a apresentação dos dois, tivemos ainda a oportunidade de degustar - e comparar - o Domaine de la Charmoise Les Cépages Oubliés 2007, um vinho elaborado com a variedade Gamay de Bouze, pelo próprio Henry Marionnet, que a Miolo passa a importar com exclusividade. Este último é um vinho que, em contraposição ao da Miolo, apresenta uma cor vermelho-escura, quase opaca, ao mesmo tempo em que praticamente repete os aromas do irmão mais novo. Na boca, as semelhanças são inexistentes, pois trata-se de um vinho com muito mais corpo e estrutura.

    "Apesar da diferença de terroir, os dois vinhos têm muitas semelhanças, principalmente no aspecto olfativo. Mas prefiro o frescor e a tropicalidade do vinho da Miolo."

    Jandir Passos
    Professor do curso de Vinho & Cultura da Candido Mendes
    Dos dois, eu gostei muito mais do vinho francês, mas fui quase uma andorinha solitária, já que todos com quem eu falei preferiram o frescor, a jovialidade e a facilidade do vinho nacional. E não posso esquecer de informar que, apesar de tinto, a recomendação é a de que o Miolo Gamay seja servido entre 10°C e 12°C! Mais carioca, impossível!

    E a melhor notícia é que o precinho, mesmo com tantos cuidados na elaboração, é comparável ao das bananas: R$115,00 a caixa com 6 ou risíveis R$19,16 por garrafa, no site da vinícola. Lá também se encontra um kit promocional, que também custa 115 reais, com taças. No entanto, a descrição desse kit é tão confusa, mas tão confusa, que mesmo tendo lido várias vezes, com bastante atenção, não consigo informar a vocês com segurança do que ele é composto!

    Oscar Daudt
    Os vinhos
    Miolo Gamay 2009 Domaine de Charmoise Les Cépages Oubliés 2007 A união França-Brasil Miolo Gamay prá todo o lado!
    Os petiscos harmonizados
    Risoto a parmeggiana com bacon Pastéis de moqueca Salmão defumado com salada de batatas Boeuf bourgignone
    Os anfitriões
    Os enólogos Adriano Miolo e Henry Marionnet, com Winfried Alexandre Miolo, representante no Rio de Janeiro, e Lilian Seldin O enólogo Ruan Rodrigues, com Jade (Porcão Barra) e Joelsio (Montana Grill) Adriano com o jornalista Affonso Nunes
    Os convidados
    Paulo Decat, vice-presidente da ABS, e Andréa Pio, colunista do Jornal Vinho & Cia O jornalista Bruno Agostini e Dulcinéia Massi, com muitas taças O jornalista Marcelo Copello e Renata O chef Joel Guérin e Mme. Marie-José Marionnet
    Roberto Rodrigues, diretor da ABS, e Bernardete dal Corno Carlos Teles e José Paulo Schiffini A cúpula das Amigas do Vinho e da FEBAVE: Kátia, Maria Lúcia e Teresa Cintia, o sommelier Marcos Lima e Edgar Kawazaki
    Márcia Gerhardt e Fernando Miranda, ex-presidente da ABS Luiz Alberto Brettas, conselheiro da SBAV A turma do Salitre: Rodrigo, Carla e Segundo Célio Alzer, ex-presidente da ABS, e Jeanne Marioton
    Marcus, o leitor do EnoEventos A jornalista Danusia Barbara e o fotógrafo Alexander Landau O sommelier Efraim Moraes, do Gato Rosso, e o professor Jandir Passos O sommelier Sérgio Mendes, da Intervinos
    Pedro Osmar de Oliveira, da Confraria Carioca, e Anderson Moser, da Stravaganze Pizzaria Jandir e Valdiney Ferreira, da L'Orangerie
    A saxofonista Daniela Spielman, que conduziu o fundo musical O chef Fernando Melo Affonso Nunes e Cecília Schiffini
     
    Comentários
    Gustavo Silveira
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    08/04/2009 Oscar,

    Acho que entendi a promoção da Miolo. Trata-se de uma caixa contendo:

  • 3 Kits (cada kit é composto por 1 garrafa + 1 taça), logo são 3 garrafas e 3 taças;
  • 3 cartuchos (cada cartucho é composto por 1 garrafa), logo são 3 garrafas.

    No TOTAL a caixa tem: 6 garrafas e 3 taças.

    Estlanho, não? Então, temos 2 alternativas: ou pagamos 115 reais e levamos 6 garrafas, ou pagamos os mesmos 115 reais e levamos 6 garrafas e 3 taças... Quem será que vai optar pela primeira alternativa?

    Oscar
  • Carlos Teles
    Enófilo
    Nikit
    RJ
    09/04/2009 A Miolo está de parabens. Acertou em cheio com o Gamay 2009. Um vinho jovem, floral e muito agradável no nariz e na boca. Um típico Gamay, seguindo muito bem a proposta de um Beaujolais Nouveau brasileiro.

    Carlos Teles
    Roseny Julio
    Enófila
    Bento Gonçalves
    RS
    10/04/2009 É muito bom saber que a Miolo está colocando no mercado um produto tão elaborado e com um valor tão acessível. Isso oportuniza a todos o privilégio de degustá-lo.
    Roberto Cheferrino
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    11/04/2009
    José Paulo Schiffini
    Enófilo da antiga
    Rio de Janeiro
    RJ
    11/04/2009 Agradeço a oportunidade de ter sido convidado e fico em paz com minha consciencia em dizer que eu achei apenas uma grande jogada de marketing!

    Porém como sempre critiquei o marketing da Miolo, devo agora parabeniza-la pela melhor jogada de marketing, que já fez. Bravo Raquel!

    Porque digo isso:

    1) A Miolo pegou um vinho da sua categoria Básico Luxo, onde ela - a Miolo - classifica seus vinhos por preço, lembra daquela malfadada pirâmide, que eu critico tanto, e que está no catálogo distribuido no lançamento, categoria esta que inclui: o Miolo Seleção de maquiagem nova, claro; inclui a tchurma do Terranova simples; inclui a linha simples da Costa Pacífico e fez um vinho gostosinho, e barato...

    Abaixo desta categoria só vinho de garrafão.

    Não foi divulgado o teor de açucar residual, mas acho que este Gamay está no limite do seco... Quanto a acidez: achei que ficou a desejar: apenas 3,79 de Ph; ou se preferirem: 5,02 gramas por litro equivalentes em ácido tartárico. Eu nunca entendí como fazer a conversão...

    Um vinho para combate: 200.000 garrafas. Neste ponto Bravo Adriano! Este vinho pode ajudar a ampliar a base dos consumidores de vinho, mas para apreciadores de vinho mais maduros, vale apenas conhecer.

    2) O vinho deve ser servido gelado (entre 5 e 6 graus) pouco acima disso o CO2 dissolvido no vinho começa a agulhar, faça você a experiencia.... e no momento está ainda um pouco adstringente, cheguei a falar isso ao Adriano e ao Henry: o Francês me disse que era por que haviam engarrafado há pouco: "Mal de Bouteille.."

    Logo ,não é tanto assim como dizem um vinho para verão, praia..., apenas se você levar um "cooler" junto.... pois em poucos minutos na praia ele esquenta e acabou-se...

    3) Além disso é um vinho com prazo de validade, está no folheto do lançamento, bom para tomar até o mes de setembro de 2009, e não na temperatura recomendada no folheto entre 10 e 12 graus.., sempre mais gelado, o mais próximo de cinco graus possível.

    4) Claro esta versão 2009 é muito melhor que a versão 2008, que ganhei da NET-Globo, numa promoçao por ser cliente antigo com duas taças timbrado Miolo. Os vinhos da Campanha sempre surpreenderão.

    5) Claro, o vinho frances do Henry, não tem nada a ver com o nosso, começa que é elaborado com uma uva diferente: Gamay de Bouze, uma uva quase esquecida e que ele consegue fazer um vinho mais encorpado com aromas de aspargo e Ruibarbo, essa eu devo ao chef Fernando, pois nós adoramos o vinho, por apenas cerca de R$ 60,00; um vinho bem mais gastronomico.

    Você já pensou, como é CHIC!; servir num jantar na sua casa, para um frances, entendido de vinho... um vinho de uma uva quase desaparecida e francesa, por apenas R$ 60,00?

    6) Essa parceria foi um dos pontos da grande jogada de marketing da Miolo, ela vem fazendo isso desde 2002, parceria, intercambio de Know-how e de produtos, acompanhe: Chile, Argentina, Portugal, Espanha, Itália e agora França, são parceiros da Miolo, neste ponto: Bravo Adriano!

    Trazendo tecnologia de vitivinicultura de vários países para o Brasil. Acho que os demais produtores gauchos deviam seguir este exemplo, creio que a Valduga já se emparceirou com o Carlos Pulenta da Vistalba.

    Como surpresa do lançamento descobri que a Miolo, lança em Junho ou Julho o Chardonnay Cuvée Giuseppi, estou ansioso, pois aí já estamos na categoria superpremium e o tinto Giuseppi é um dos meus preferidos na Miolo.

    Schiffini
    Luciano Neto
    Enólogo
    Porto Alegre
    RS
    12/04/2009 Somente para esclarecer ao Schiffini, não existe regra nem escala de conversão de pH para Acidez Total e vice-versa. São duas grandezas distintas. A primeira demonstra a acidez real, representa a quantidade de íons H+ livres que existe no vinho; a outra é a quantificação do teor total de ácidos do vinho obtida por titulação até o pH 7,0 (neutralidade).

    Vale lembrar que nenhuma dessas grandezas são diretamente fáceis de se ligar com as características sensoriais do vinho, visto que a sensação ácida sofre influência dos demais componentes e sensações do vinho. É um dado técnico importante, porque ajuda o enólogo a tomar as decisões sobre a condução da fermentação (no caso do mosto) e da conservação do vinho.
    Paulo Salerno
    Fotógrafo
    Rio de Janeiro
    RJ
    13/04/2009 Beba rapido antes que sirva apenas para juntar ao azeite e colocar na salada!
    Eder Heck
    Sommelier, Mr. Lam
    Rio de Janeiro
    RJ
    13/04/2009 PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: QUE SOMMELIER AINDA VENDE MIOLO? Ah! os do curso mirabolante. kkkkk

    Fazendo um colocação importante: o Miolo Terroir Merlot era um vinho digno de aplausos, então talvez tenha uma luz no fim do tunel.

    abs
    Carlos Henrique Barreto Machado
    Tabelião e Winemaker
    Belo Horizonte
    MG
    24/04/2009 Ontem recebi um casal amigo e tivemos uma excelente degustação de vinhos da Miolo, e sobretudo um grande prazer em contarmos com o Miolo Gamay 2009 - seguramente traduz toda a excelência da Miolo.

    Aproveito para comunicar uma novidade, em 2010 alguns excelentes vinhos estarão sendo degustados, e entre eles o FAUSTA (anotem).

    Abraços,
    Carlos Machado - Winemaker
    EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - [email protected]