Matérias correlatas
  • Portugal
  • Casa Flora/Porto a Porto

  • "O Marquês de Borba Branco é um vinho de excelente acidez, untuoso e com delicioso toque mineral. Ofereceu uma harmonização perfeita para os celestiais bolinhos de bacalhau do Antiquarius. Um vinho sensual!"

    Jeanne Marioton
    Representante dos Vinhos de Provence, etnóloga (sic) e "sommelier sangue bom"
    Portugal até no nome

    O Antiquarius é o templo inquestionável da gastronomia portuguesa em terras cariocas. Um das mais requintadas casas do Rio, um restaurante na crista da onda há mais de 30 anos, é unanimidade entre a crítica. Agraciado, ano após ano, com as cobiçadas 5 estrelas de Danusia Barbara, também é figurinha fácil entre os jurados da Veja Rio que, repetidamente o elegem como o melhor português de nossa cidade.

    Não poderia ser outro, portanto, o endereço para recepcionar o mais respeitado enólogo do Alentejo, Eng. João Portugal Ramos, em um jantar de apresentação de seus vinhos oferecido pela Importadora Porto a Porto (ou seria pela Importadora Casa Flora? A gente nunca sabe!). Português até no nome, João é admirado pelo crítico-mór, Robert Parker, que classificou nada menos do que 5 de seus rótulos como outstanding! É mole?

    "O Marquês de Borba Tinto é um vinho agradável, fácil, frutado que pretendo introduzir na carta do Garcia & Rodrigues! Bela harmonização com as Bochechinhas de leitão."

    João Pedro
    Sommelier, Garcia & Rodrigues
    Enquanto aperitivávamos e batíamos um agradável papo na sala de estar do restaurante, fomos apresentados ao Marquês de Borba Branco, um delicioso vinho elaborado com Arinto, Roupeiro e Rabo de Ovelha (quanto mais eu conheço castas portuguesas, mais eu me espanto com os nomes...). Ao seguirmos para a mesa, o vinho foi junto conosco para acompanhar alguns dos tentadores e surpreendentes amuse-bouche que o eficiente serviço não cansava de nos oferecer.

    Pena que o pão não estivesse à altura do Antiquarius: duro e seco, bem ruinzinho! E me causou espécie ver que o garçom circula com uma cesta de pães por todas as mesas e que é o cliente que enfia a mão para escolher o que quer. Um tanto anti-higiênico, não? Se a Vigilância Sanitária passar por lá, é autuação na certa!

    Mas voltemos ao que interessa: ainda para acompanhar os diverte-boca, fomos servidos do Marquês de Borba Tinto 2007, um corte de quase tudo, de autóctones a internacionais: Aragonês, Trincadeira, Syrah, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon e Merlot. João Portugal devia estar em um de seus dias de alquimista... Com seus 13,5% de álcool, é um vinho leve e agradável, do tipo deixa-a-vida-me-levar, muito macio e frutado. Serve tanto para beber como aperitivo, quanto para o acompanhamento dos pratos de bacalhau que viriam a seguir. Ainda bem que eu guardei um pouquinho na taça, pois...

    "O Marquês de Borba Reserva 2004 apresenta um nariz complexo com um floral de violetas, especiarias e frutas do bosque e uma madeira bem equilibrada. Boca aveludade, com acidez no ponto certo e grande longevidade. É o Alentejo elegante!"

    Paulo Nicolay
    Consultor enogastronômico
    Pois, como eu estava dizendo, chegou o Trio de Bacalhau: Bacalhau à Antiquarius, Bacalhau Nunca Chega e a Açorda de Bacalhau. Nem a suave Teresa, mulher do João Portugal, sabia nos explicar o que seria uma açorda, mas também, nem carecia de explicações de tão maravilhosa. O trio veio acompanhado do Vila Santa 2005, obra-prima da enologia, que me deixou babando de satisfação. No entanto, ele saiu atropelando os pratos, não deixando batatinha sobre batatinha. Por isso eu falei que, felizmente, havia sobrado o vinho anterior em minha taça, que cumpriu com muito mais cavalheirismo sua função de escorte. E o Vila Santa ficou me esperando para ser bebido enquanto em meditava na noite maravilhosa que estava rolando...

    E a estrela da noite, o tão aguardado Marquês de Borba Reserva 2004 compareceu absoluto, sem prato nenhum para distrair as papilas, exigindo concentração total! Com seus 14% de álcool, é um corte de Trincadeira, Aragonês, Alicante Bouschet e Cabernet Sauvignon, quase preto, com aromas em várias camadas e muita, muita maciez e estrutura. Parecia até colchão Ortobom!

    Eu já contei várias vezes que sobremesas não são a parte preferida da minha refeição. Eu gosto muito mais de completar cada escanhinho de meu estômago com comidas salgadas. E, embora nesse dia eu houvesse ocupado até a traqueia e a laringe, não deu para resistir quando foi servido o trio de colesterol: Ovos moles de Aveiro, Encharcada d'Ovos e Toicinho do Céu. Isso não se faz! Depois eu mando a conta do cardiologista!

    Oscar Daudt
    Os vinhos
    Marquês de Borba Branco
    Castas: Arinto, Roupeiro e Rabo de Ovelha
    Álcool: 12,5%
    Açúcar residual: <4g/l
    Marquês de Borba Tinto 2007
    Castas: Aragonês, Trincadeira, Syrah, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon e Merlot
    Álcool: 13,5%
    Envelhecimento: em meias pipas de carvalho de segundo ano
    Vila Santa 2005
    Castas: Aragonês, Touriga Nacional, Trincadeira, Alicante Bouschet e Cabernet Sauvignon
    Álcool: 14%
    Envelhecimento: 9 meses em pipas de carvalho americano e francês
    Marquês de Borba Reserva 2004
    Castas: Trincadeira, Aragonês, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon
    Álcool: 14%
    Envelhecimento: 12 meses em meias pipas (250l) de carvalho francês
    As delícias portuguesas
    Bolinhos de babalhau, ops..., bacalhau Queijo da Serra da Estrela derretido Bochechinhas de leitão Risolis de peixe
    Trio de Bacalhau Arroz de Pato à Antiquarius Cabrito Assado no Molho à Nossa Moda Doces Portugueses
    Os participantes
    João Portugal Ramos Teresa Ramos Jô e Homero Sodré, presidente da SBAV-RJ Lilia Fortuna e Paula Fontes
    Paulo Nicolay, consultor enogastronômico Jeanne Marioton, representante dos vinhos de Provence João Souza, sommelier do Terzetto Susana Su e Raphael Guedes, da Lidador
    Hirã Salsa, da loja Destilados O jornalista Pedro Landim Alexandre Henriques e Elsa Brum, da Gruta de Santo Antonio, em Niterói Luciano Pessina, da Enosfera, e Teresa
    Franciane Mazine e Vera Duarte, do Hortifruti Luiz Pereira, da Candy, e o sommelier Danilo, da Churrascaria Palace João Pedro, sommelier do Garcia & Rodrigues Rogério Sillas, do Don Camillo, e Alessandro Cucco, da Enosfera
    Rodrigo de Oliveira, da Porto a Porto O sommelier Marcos Lima servindo André Pereira, da Candy: azeite na taça e vinho na torrada... A longa mesa do jantar
     
    Comentários
    Antonio Carlos Ferreira
    Rio de Janeiro
    RJ
    15/04/2009 Oscar,

    Açorda é um prato feito com pão esmigalhado, temperado com azeite e alho, a que se podem juntar outros ingredientes. Nesse caso, foi o bacalhau.

    Um abraço
    André Luiz Santos
    Enófilo
    Porto Alegre
    RS
    16/04/2009 Os vinhos do João Portugal Ramos, são excepcionais na relação custo-benefício.

    O Vila Santa então é algo indescritível, tanto o próprio, quanto o Trincadeira e o Aragonês, são vinhos excepcionalmente bons de abertura, não necessitam de oxigenação, estão prontos para servir.

    Basta que as pessoas tenham bom gosto e tenham o mínimo discernimento quando o assunto for vinho.
    EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br