Matérias correlatas
Argentina
Preços de arrepiar

O jornalista Juan Diego Wasilevsky compilou e publicou no site iProfessional.com a relação dos 10 vinhos mais caros da Argentina. É de arrepiar! O ocupante da primeira colocação, o Catena Zapata Estiba Reservada 1997, custa a impensável quantia de 1.600 pesos argentinos (cerca de 736 reais).

Claro, são vinhos exclusivos, de baixíssima produção e elaborados apenas em anos de safras excelentes. Por exemplo, os 2 vinhos da Bressia Casa de Vinos incluídos na lista têm uma produção de apenas 800 garrafas.

Mesmo assim, será que são preços justificáveis? Será que a qualidade oferecida realmente compensa a astronômica etiqueta? Eu, com certeza, não posso responder, pois nunca bebi nenhum desses seletos vinhos.

E é bom lembrar que os preços divulgados são os praticados no mercado argentino. Aqui no Brasil, se disponíveis, esses vinhos devem custar bem mais. Só para exemplificar, o Viña Cobos Malbec que consta na lista pelo equivalente a 306 reais, é vendido pela Grand Cru por assustadores 750 reais!

Oscar Daudt

Em tempo: os dois vinhos da Viña Alicia, que constam na relação custando mais de 300 reais em Buenos Aires, são vendidos aqui no Brasil (safra 2005) por 195 reais, pela importadora Decanter.
Relação de vinhos
1º - Estiba Reservada 1997 2º - Alto 1998

Produtor: Bodega Catena Zapata
Castas: 100% Cabernet Sauvignon
Preço: AR$ 1.600 (R$ 736)

Produtor: Bodega Alta Vista
Castas: 80% Malbec, 20% Cabernet Sauvignon
Preço: AR$ 1.500 (R$ 690)
3º - Última Hoja 2006 4º - Conjuro 2003

Produtor: Bressia Casa de Vinos
Castas: não divulgado
Preço: AR$ 1.300 (R$ 598)

Produtor: Bressia Casa de Vinos
Castas: Malbec, Cabernet Sauvignon e Merlot
Preço: AR$ 950 (R$ 437)
5º - Nico 6º - Doña Paula Selección de Bodega Malbec

Produtor: Viña Cobos
Castas: 60% Cabernet Sauvignon e 40% Malbec
Preço: AR$ 760 (R$ 350)

Produtor: Bodega Doña Paula
Castas: 100% Malbec
Preço: AR$ 700 (R$ 322)
7º - Ícono 8º - Brote Negro 2006

Produtor: Bodega Luigi Bosca
Castas: Malbec e Cabernet Sauvignon
Preço: AR$ 700 (R$ 322)

Produtor: Viña Alicia
Castas: 100% Malbec
Preço: AR$ 700 (R$ 322)
9º - Viña Cobos Malbec 10º - Cuarzo 2006

Produtor: Viña Cobos
Castas: 100% Malbec
Preço: AR$ 665 (R$ 306)

Produtor: Viña Alicia
Castas: 90% Petit Verdot, 5% Grenache Noir e 5% Carignan
Preço: AR$ 660 (R$ 304)
 
Comentários
Juan Jose Verdesio
ABS Brasília
Brasília
DF
17/02/2010 Acho que houve engano. Entrei na página web http://www.iprofesional.com/notas/94014-Dream-team-los-vinos-argentinos-mas-caros-que-consume-el-mundo.html e os preços são FOB de caixas de 9 litros, (esta escrito 9 ligros) ou seja 12 garrafas de 750 ml. Portanto o preço colocado deve ser dividido por 12. Aí o mais caro que é o Ultima Hoja de Bressia passa a valer 136 dolares FOB. De onde saíram os preços colocados embaixo das figuras?

Olhei na Grand Cru do Brasil e o Cobos 2006 vale realmente impossíveis 750 reais. Porque o RP deu 98 pontos?

Caro Verdesio,

Não houve engano, não. São duas matérias distintas: essa que você consultou trata dos preços dos vinhos para exportação. A matéria que embasou minha reportagem é outra, assinada pelo mesmo colunista, e trata dos preços no mercado local, por garrafa e em pesos argentinos, que pode ser consultada clicando aqui.

Oscar
Nilson Cesar
Ornitólogo
Florianópolis
SC
17/02/2010 Leitores do vinho,

Preço e valor muitas vezes são entidades opostas. Quanto vale a sua vida? tem preço? Vinhos elaborados dentro de certas condições as vezes tem muito preço e baixo valor, o que na maioria das vezes não é percebido pelos compradores.

É preciso ter paixão, estudar, comparar, degustar muito e ter o mínimo de capacidade lógica, além de capacidade financeira, para empreeender tal estudo.

Determinados produtores ao redor do mundo elaboram vinhos muito particulares em pequenas produções e dada a lei de mercado, se existe muita procura e pouca oferta o preço sobe. Para sentir aquele gosto especial tem de pagar, compra quem quer. Um dos grandes inflacionadores do mercado de luxo para o vinho foi o boom da economia americana que voltou seus paladares para o vinho na década de oitenta, juntamente com aquele que acabou por estabelecer um sistema de pontuação centesimal (até 100 pontos), hoje largamente utilizado no mundo inteiro e que priorizou uma fórmula de sabor para as pontuações mais altas adotado por inúmeras vinicolas como uma garantia infalível de venda a tal ponto de gerar um modismo e uma febre para os consumidores.

O bom é a experiência, compra quem pode e bebe quem quer. Se puder compro, se gostar repito.
Homero Sodré
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
17/02/2010 Caro Oscar,

Acho que muitos destes preços foram inflacionados intencionalmente. Pesquisei esses rótulos no Guia Vinum (www.guiavinum.com), que mostra os preços reais pagos pelo consumidor na Argentina, e a maioria deles aparece com preço menor (às vezes, menos da metade!). De qualquer forma, todos eles são ótimos vinhos!

Abraços, Homero

É, Homero, as informações são bem divergentes. Em compensação, eu conferi o site da Grand Cru argentina e achei o Nico por 995 pesos (contra os 760 pesos da pesquisa) e o Cobos Malbec a 795 pesos (contra 665 da pesquisa). Durma-se com um barulho desses!

Um abraço, Oscar
Valéria Patrocínio
Médica
Niterói
RJ
17/02/2010 Se não houver quem compre, serão obrigados a diminuir preços. Há outros bons vinhos com custo bem inferior.
Carlos Alberto Day Stoever
Enófilo e Advogado
Santa Maria
RS
18/02/2010 Prezados!

Não duvido da fonte nem da matéria - sabemos que o preços variam de lugar para lugar dentro de um mesmo país.

Porém, vivendo no Rio Grande do Sul costumo frequentemente comprar vinhos diretamente na Argentina. Apenas para comparação, o Estiba Reservada custa, no máximo, AR$ 500,00 (+- R$ 250,00).

Detalhe: em Buenos Aires, os vinhos são mais caros do que em Posadas, Córdoba, etc...

Grande abraço!
Carlos Stoever

Carlos,

A Mistral vende aqui no Brasil o Estiba Reservada 2004 por 219 reais. Mas o estudo refere-se apenas à safra de 1997 que deve estar obtendo um sobrepreço devido à idade.

Abraços
Oscar
Humberto Heidrich
La Charbonnade
Canela
RS
18/02/2010 Gostaria de me manifestar que preço e raridade fazem parte deste mundo maravilhoso do vinho. São como obras de arte e cada artista coloca o valor que considera justo para seu produto.

Citamos o caso dos vinhos do Bressia, cujo Ultima Hoja está chegando esta semana, proporcionando aos apaixonados por novidades só 25 garrafas. O Brasil é o primeiro país fora da Argentina a trazer esta obra de arte e fomos premiados, ao trazer estes vinhos ao mercado brasileiro. Os outros todos em questão temos também em nossos estoques.

Fraterno abraço aos leitores desta pagina.

Humberto Heidrich - Juiz internacional de vinhos
La Charbonnade Importadora
Marcus Vinicius Coelho dos Santos
Engenheiro Civil
Niterói
RJ
18/02/2010 Uma coisa curiosa na Argentina: quanto mais velha a safra, mais caro é o vinho. Não importa se a safra mais recente foi mais bem pontuada do que uma anterior.

O preço do Estiba de safras mais recentes está, aqui no Brasil, US$ 100,00 algo em torno de R$ 190,00, o que não é um absurdo. A safra de 97 foi uma ótima safra. Já provei este 97 mais de uma vez. É um ótimo vinho que só se justifica custar este preço pelo número reduzidos de garrafas que existe no mercado à venda.

Marcus
Pedro Landim
Jornalista
Rio de Janeiro
RJ
18/02/2010 Semana que vem estou indo para a Argentina com duas tarefas específicas: comer e beber. Oscar, meu caro, espero que você tenha errado todos os preços, com um zero a mais. Risos e risos.

Bebi recentemente o Cobos e me impressionou, mas nem tanto quanto o Finca Mirador, este fora da lista...

Abraços!
Luciano Neto
Enólogo
Porto Alegre
RS
18/02/2010 Caro Oscar,

É bom citar também que o Doña Paula Selección de Bodega Malbec, na matéria por R$ 322,00, é vendido na Grand Cru por "assustadores" R$ 194,00.

Abraço
Luciano

Eu já havia procurado o Doña Paula Selección de Bodega no site da Grand Cru, mas ele consta como indisponível e sem preço.

Abraços,
Oscar
Carlos Alberto
Chateau Brasil
Rio de Janeiro
RJ
19/02/2010 Carissimo Oscar.

O que mais me impressiona é o fato do preço do "Alta Vista Alto" custar R$ 690,00 mesmo sendo da safra 1998 (nós já vendemos aqui pelo preço de R$ 222,20 e hoje não temos mais).

Hoje, o mesmo vinho da safra 2005 custa conosco R$ 151,55 para restaurantes. A diferença de preço é muito grande, ele custa 360% mais caro que o preço dele hoje.

Abraços
Jorge Barbosa
Rio de Janeiro
RJ
19/02/2010 Senhores.

Cuidado com os vinhos argentinos de 2002 para baixo. Se puderem, abram no hotel, uma das garrafas compradas para ver a qualidade.

Nesta semana ia comprar uma caixa de YACOCHUYA 2002, lá em BA. Como estava numa degustação da loja de vinhos, pedi para abrir uma das garrafas para o grupo. Achamos o vinho bem etéreo (decadente). Pedi então para abrir um 2004. Resultado: comprei o 2004 (paguei os dois abertos).

Outra coisa: o Alta Vista Alto 2006 (safra argentina c/10 pontos), está na Grand Cru de BA por 350 pesos, menos tax free de 15%. Alí também, o Cobos Bramare 2006 por 319 pesos, menos tax free.

E pra quem vai, cuidado com alguns taxistas que estão dando troco com notas falsas (ver marca d'água).
EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br