Matérias correlatas
Análises de preços
Brasil

Na edição de ontem, 29/07, recebi encartado no jornal O Globo uma propaganda dos Supermercados Zona Sul (imagem acima), com ofertas de vários produtos, dentre eles alguns vinhos. Eu fiquei um tanto aturdido ao ver o vinho Dal Pizzol 35 anos 2005, pelo preço de 135 reais. Eu sabia que o vinho não custava isso, mas não lembrava exatamente quanto era.

Recentemente participei do jantar de lançamento deste belo vinho aqui no Rio de Janeiro, no restaurante da Roberta Sudbrack, e tenho uma boa lembrança de seu frescor, fruta e maciez (clique aqui para recordar). Alexandre Lalas, que também esteve presente nesse jantar, dedicou uma de suas colunas a esse lançamento (clique aqui para reler a coluna) e informava o preço do vinho de 60 reais.

Hoje recebi uma mensagem de nosso atento leitor Nelson Lemos, dizendo entre outras coisas, o seguinte:

"A vinícola Dal Pizzol, onde me abasteço de vez em quando, lançou recentemente um tinto comemorativo aos 35 anos da empresa. Preço da caixa com 6 garrafas, frete não incluído, tabela com validade até 31 de agosto: R$360,00, ou seja, RS$60,00 a garrafa (um absurdo). Preço de venda da rede Zona Sul (folheto obtido ontem) – R$135,00 a garrafa. Como se chama isso, em qualquer país do mundo?"

Alguém se arrisca a responder a pergunta do Nelson?

Eu já por várias vezes declarei que o Zona Sul é meu supermercado preferido aqui no Rio de Janeiro, onde costumo fazer as compras dos vinhos para o dia-a-dia. Em meus levantamentos de preços de vinhos nos supermercados, ele sempre esteve em uma posição razoável. Por isso, meu espanto. O que será que aconteceu? Erro de impressão no encarte? Improvável... Ou pura e desmedida ganância?

Se o consumidor final pode comprar diretamente com a vinícola a garrafa ao preço de 60 reais (imagem à direita), com certeza o supermercado, comprando em quantidade, deve pagar uns 30 ou 40 reais, no máximo. Como então justificar esse margem de lucro que acredito configurar um verdadeiro crime contra a economia popular?

Seria muito bom se algum representante do supermercado ou da vinícola lesse esta matéria e viesse nos dar uma explicação sobre esse incompreensível caso.

Oscar Daudt
Comentários
Cláudio Pinto
Gerente Comercial do Zona Sul
Rio de Janeiro
RJ
30/07/2010 Caro Oscar,

Apenas para esclarecer:

1 - o preço de 60 reais é o custo unitário na vinícola, sendo assim, somente quem estiver lá pagará este preço.

2 - se o pedido de entrega for no RJ, será adicionado a este preço o frete da mercadoria.

3 - no caso de compra de PJ, como é o caso do Zona Sul, temos ainda a questão de impostos incidentes em toda a operação.

4 - Assim como o Enoeventos, o Zona Sul não é uma empresa sem fins lucrativos, e sendo fiel pagadora de todos os tributos existentes na legislação, precisa ter lucro em suas operações.

5 - Por fim, o título da matéria é extramente deselegante, visto que este vinho também está em algumas delicatessens e restaurantes, e em todos os casos, com preços acima dos R$100,00.

6 - Por fim, apenas como informação, este vinho também está presente em algumas lojas do Zona Sul, ofertado à R$109,00 até o dia 07 de Agosto de 2010.

Estou a disposição para maiores esclarecimentos.

Atenciosamente
Claudio Pinto
Gestor de Categoria Bebidas Alcoólicas

Cláudio,

  • 60 reais não é o custo do produto, mas sim o preço de venda ao consumidor. E nele já estão embutidos todos os impostos relativos à venda. Seria interessante se você pudesse esclarecer quanto o supermercado pagou em cada garrafa para justificar um preço de venda de 135 reais;

  • O preço do frete, para 12 garrafas, via transportadora, é de cerca de 50 reais. Portanto, se eu comprar uma caixa de 12 garrafas, ainda assim receberia o produto na porta da minha casa ao preço unitário de 64 reais, menos da metade do preço que o Zona Sul está vendendo;

  • Todos compreendem que um supermercado tem seus custos e precisa ter lucro; o que estamos contestando é o lucro unitário que o supermercado está praticando para esse vinho

  • O fato de delicatessen e, principalmente, restaurantes - que têm uma estrutura de custos bastante diferente de um supermercado - estarem vendendo o produto por mais de 100 reais, não é justificativa plausível para o Zona Sul vendê-lo por 135 reais.

    Oscar
  • Eugênio Oliveira
    Enófilo
    Brasília
    DF
    30/07/2010 É meu caro Oscar, não é só a Enoteca Fasano que está sangrando os consumidores, não. Eles ainda tem aquela velha desculpa de "impostos, importação, blá, blá...".

    Mas o Zona Sul tá "importando" vinho brasileiro de onde? De Marte?
    Nei Erling
    Engenheiro
    Rio de Janeiro
    RJ
    30/07/2010 Pois é, meu Caro Consultor

    Eu não vou dizer que eu jamais comprarei uma garrafa de vinho nesse preço porque não tenho bala na agulha para tanto. Mas, quem sabe????? Mas, isto deixa-me preocupado porque sou cliente do Supermercado Zona Sul e costumo comprar vinhos lá quase toda semana. Se dão um escorregada dessas, como não será com a turma dos compradores de vinho como eu desse mercado que são comsumidores nas faixas de 30 a 60 reais, como é o meu caso. È um caso a pensar e tomar mais cuidado.

    Obrigado por mais esta consultoria para o bem de todos.
    Nei Erling
    Joaquim Amaro
    Economista
    Rio de Janeiro
    RJ
    30/07/2010 De acordo com todos os comentários críticos. Um absurdo o que o meu mercado preferido para vinhos fez, ou está fazendo.

    Apenas para esclarecer (?), o representante do Zona Sul sabe muitíssimo bem, não precisei ir à vinícola para adquirir o produto. Um telefonema é suficiente.

    Melhor seria corrigir o abuso e não tentar justificá-lo.
    Marcus Ernani
    Leitor
    Rio de Janeiro
    RJ
    30/07/2010 Caro Claudio Pinto,

    Acompanho a história do supermercado Zona Sul há decadas. Sinto informá-lo que deselegante é a estrutura de lucro (de custos nao interessa ao consumidor) que o ZS pratica!

    E entenda que o consumidor de vinhos do ZS é particular e peculiar, e como tal lhe digo que não aceitamos desaforo (preço) por muito tempo! Caso não acredite, a prática irá comprovar.
    Antonio Ferraz
    Estudante de engenharia
    Rio de Janeiro
    RJ
    30/07/2010 Sou morador da zona Sul do RJ, e habitualmente compro vinhos no supermercado Zona Sul, pois na relação custo benefício é o mercado que oferece melhores preços (35,00 a 65,00) com ampla variedade de importados. Assim como eu, a turma de novos enófilos e apreciadores dos bons vinhos deve ser incentivada e motivada tanto pela qualidade (vinhos honestos sem bombardeio químicos) como pelo fator preço.

    Fico muito chateado com a ganância e despropósito dos sobre-preços, pois infelizmente só desanimam e diminuem a credibilidade na hora da compra, nos obrigando a pesquisar e buscar outras opções de compra dentro do mercado de vinhos.

    Moral da estória "pesquisar antes de comprar" eeee sempre! Afinal, buscamos os supermercados achando que vão nos oferecer melhores preços.

    A.F
    Roberto Rodrigues
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/07/2010 Caro Oscar,

    Permita-me mudar um pouco o enfoque do assunto, mas além da margem do Zona Sul devemos olhar também o preço de venda deste vinho (e de outros da Dal Pizzol).

    Se analisarmos os preços da Dal Pizzol em uma série histórica veremos que eles mudaram totalmente seu posicionamento de mercado sem alterar substancialmente a qualidade de seus vinhos. Quando lançado o Dal Pizzol 25 Anos custava cerca de R$ 18,00 a garrafa. Já o Dal Pizzol 30 Anos (inferior ao 25 Anos) foi lançado por algo em torno dos trinta reais. Agora o 35 Anos sai a R$ 60,00 a garrafa.

    A linha básica da vinícola (vinhos Do Lugar) era encontrada em alguns restaurantes do Rio a menos de dez reais a garrafa e era um vinho simples e honesto. Agora o preço da vinícola está em outro patamar totalmente diferente.

    Os consumidores ficaram menos informados?

    Abs,
    RR
    Glauco Vaz
    Engenheiro
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/07/2010 Lamentável a prática abusiva de preços e pior a explicação distorcida e infundada de seu representante. Sinal claro de uma reação impulsiva de quem acaba de passar por um constrangimento, ao considerar que passaria despercebida a explícita ganância. Talvez, se houvesse um 'mea culpa' por parte desse supermercado, sua imagem não estaria saindo tão prejudicada...

    Gostaria de acreditar tratar-se de ação isolada de pessoas despreparadas. Estamos de olho!
    Osvaldir Castro
    Professor universitário
    São José do Rio Preto
    SP
    31/07/2010 As explicações do Cláudio Pinto evidenciam que ele deveria ser responsável pelo setor de "imbroglio" da empresa. Ou partir para o humorismo...
    Carlos Reis
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/07/2010 Caro Oscar,

    Esse é o tipo de matéria que aprecio, pois serve para conscientizar o consumidor sobre os abusivos preços praticados no mercado de vinho brasileiro. Usando a velha desculpa dos impostos, aumentam-se os preços abusivamente, desde o Zona Sul (até então o meu supermercado preferido para comprar vinhos, pois agora vou boicotar) até a própria vinícola (vide mensagem do Roberto Rodrigues), passando por lojas, importadoras e até mesmo o bom e velho free shop (é só comparar com preços dos mesmos vinhos importados nos Estados Unidos).

    Quanto à resposta do Zona Sul, rídicula, simplesmente. O consumidor tem direito a criticar sim as margens abusivas de lucro, e o EnoEventos faz isso sempre, sem proteger ninguém (a metralhadora do Oscar gira para todos os lados).

    De outro giro, parece que as vinícolas brasileiras em vez de buscar popularizar o vinho, querem é torná-los um produto de luxo, aumentando seus preços. Vou dar mais um exemplo, em 2006 paguei 60 reais pelo V. Francioni Lote I, Chardonnay, e em 2008, 66 pelo Sauvignon Blanc. Vcs sabem quanto os novos Sauvignon Blanc e Chardonnay custam aqui no Rio? Entre 90 e 100 pratas! É brincadeira, é para afastar o consumidor do vinho brasileiro! Paguei 95 pratas no Lote II na Confraria Carioca e realmente acho que o vinho não vale esse preço, embora seja bom (na faixa dos 60 já estava caro). Vou para os importados, não tem jeito. Que fique a advertência aos produtores brasileiros, pois lhes parece faltar humildade (com exceções, obviamente, como, por exemplo, a Vallontano).

    Por fim, para ver as abusivas margens de lucro, vale sempre comparar (salvo os vinhos norte-americanos e os brasileiros, este porque sua exportação é praticamente inexistente para a terra do Tio Sam) com os preços praticados nas lojas norte-americanas (e ninguém vai me convencer que eles não têm lucro, ou que não há frete para lá, ou que o aluguel é barato na Park Avenue, e não há direitos trabalhistas). É só comparar!

    Carlos Reis
    José Paulo Schiffini
    Enófilo da velha guarda
    Armação de Buzios
    RJ
    31/07/2010 Caro Oscar,

    Da mesma forma que elogio nos últimos dez anos, vinhos bons e baratos, quaisquer que sejam suas origens, não posso deixar de me juntar aos consumidores brasileiros que clamam por vinhos melhores e mais baratos.

    Existe uma guerra surda entre os produtores nacionais, aqueles que acreditam em estratégias de publicidade e de marketing voltadas para o setor luxo e aqueles que mantem seus pés firmes na terra.

    Não adianta precificar qualquer produto lá em cima, seguindo com isso a corrente do quanto mais caro o produto, deve ser melhor... O consumidor inteligente, aquele que segue EnoEventos, enoblogs e os críticos de vinho independentes deste país nunca comprarão tal produto...

    E eu que também sou cliente antigo e de carteirinha do Zona Sul, desde que começou, alí na primeira loja de Ipanema, irei analisar se os demais produtos também foram demarcados para cima, (Sr. Cláudio Pinto, me aguarde...)

    Recomendo a todos que amam vinho como sua bebida predileta, que façam uma campanha no Twitter, contrária à compra de tal vinho.

    Schiffini

    Schiffini, as matérias do EnoEventos vêm com um botãozinho no canto superior esquerdo para disseminação da matéria no Twitter (e no Facebook também). Basta clicar no botão para divulgar as matérias que gostaram para seus seguidores!

    Abraços, Oscar
    João Alfredo de Mendonça
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/07/2010 A resposta do Zona Sul me faz ter mais uma certeza: a falta de mão-de-obra qualificada para tocar nossa crescente economia.
    Carlos Reis
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/07/2010 Caros,

    Além de muitos produtores nacionais aumentarem os preços de seus vinhos na lógica do "quanto mais caro, melhor", devemos lembrar que o terrível selo fiscal será implantado por iniciativa de produtores nacionais (aliás, até hoje não consegui descobrir exatamente quais as vinícolas que apoiaram isso, só as que foram contra - até porque quando souber, não compro mais uma gota deles).

    Humildade e menos ganância, isso é que falta!

    Carlos Reis
    Jorge Barbosa
    Enófilo
    Niterói
    RJ
    31/07/2010 Amigos.

    Só para comparar! A Grand Cru está vendendo os seguintes vinhos com os preços:

  • ENRIQUE FOSTER EDICION LIMITADA MALBEC 05 - 67,50
  • DAVALOS 33 DE DAVALOS 05 - 91,50
  • FLECHAS DE LOS ANDES GRAN CORTE 05 - 96,00
  • LE CORTI CHIANTI CLASSICO DON TOMASO DOCG 03 - 55,00

    Será que esse Dal Pizzol é muito melhor que os acima?
  • Maria Tomasia Middendorf
    Enófila
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/07/2010 Oscar,

    Amei essa matéria porque, como muitos, sempre compro vinhos no Zona Sul do Flamengo, de olhos fechados, sem nunca pesquisar preços em outros supermercados, mas, doravante, cuidarei de bater pernas e visitar outros supermercados para comparar preços. Depois dessa, estarei com os meus olhos bem abertos!

    Abraços,
    Maria Tomasia
    Alexandre Henriques
    Brasília
    DF
    31/07/2010 Mais incrível do que o supermercado cobrar esse preço é o consumidor que paga esse absurdo!!! Se o comércio se atreve a praticar esses preços é porque tem quem pague. Ai não dá pra culpar os comerciantes, porque, gostemos ou não, vivemos num sistema capitalista. Se você coloca o preço de 100 e o vinho tem saída, porque vender por menos?

    A resposta do consumidor é deixar mofando na prateleira esses vinhos. Temos que jogar com as regras do sistema. Não adianta reclamar dos preços e continuar comprando.

    O brasileiro precisa é acordar e aprender a valorizar o seu dinheiro. Perder essa mania de que o governo é que tem que solucionar todos os nossos problemas.

    Solução para preço exorbitante é o boicote. Se todos fizessem isso, os preços cairiam. E isso não vale só para os vinhos. Acorda Brasil!!!
    Marcos Reis
    Rio de Janeiro
    RJ
    01/08/2010 Sr. Claudio Pinto,

    Precisa ter lucro, não é sinomino de roubo ao consumidor. Você diz que o título da matéria é extremente deselegante, mas deselegante é a falta de compromisso de sua empresa para com os seus clientes.

    Venho lançar BOICOTE ao Zona Sul: 135 dias sem comprarmos vinhos no Zona Sul.

    Marcos Reis
    Rafael Moreira
    Importador FTP Wines
    Rio de Janeiro
    RJ
    02/08/2010 O mais impressionante é que estamos falando de um vinho nacional! Se um vinho nacional tem esse preço justificado pelos impostos, o que falar de vinhos importados?? Se for pela questão de impostos, o vinho nacional NUNCA poderia ser mais caro que um importado.

    Não conheço o vinho, porém como apreciador nunca irei pagar esse valor em um vinho nacional, com tantas excelentes opções de importados com preço muito melhor.

    www.ftpwines.com.br
    Horacio Fiuza
    Empresário
    Rio de Janeiro
    RJ
    02/08/2010 Caro Oscar,

    Depois da polêmica comprei o vinho (NO ZONA SUL). É uma obra de arte e vale cada centavo, sugiro que comprem e depois questionem. É edição limitada, tende a acabar ou a ficar mais caro, na minha opinião ainda esta barato.
    Gustavo Silveira
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    02/08/2010 O vinho é mediano, nada que justifique mais de 100 reais.
    Joel Guerin
    Chef
    Rio de Janeiro
    RJ
    04/08/2010 Caro Oscar,

    Fiel comprador do Zonasul ha anos por ter vinhos importados de custo beneficio muito bom e por praticar uma politica extremamente eficiente, produtor/consumidor, sem outros intermediarios (o milagre da mundializaçao) portanto devo continuar comprando esses produtos com muito prazer pouco $, varios comentarios devem ser considerados, Roberto Rodrigues/Schiffini e outros, explicam, as vezes as vinicolas nacionais colocam seus produtos no mercado a preços poucos competitivos, devidos as varios fatores conhecidos de todos e tem todos os direitos, numa economia de marcado aberta, de usar ou de abusar dessa pratica, o consumidor se reservando o direito de adquerir ou nao seus produtos.

    Uma resalva sobre a palavra "assalto": o dicionario Aurelio diz " Ataque inesperado e com emprego de força ,com fito de roubar, sequestrar, etc...", o que ao meu parecer nao deve ser o objetivo do Zonasul, os produtos sao colocados a venda a preço X, cabe ao consumidor avisado avaliar o custo beneficio e comprar ou nao esse produto com livre e espontanea vontade.

    Em conclusao, talvez mais consumidores deveriam frequentar as aulas da ABS, SBAV, e outras.

    Abraço

    Caro Joel, a palavra ASSALTO, em seu sentido figurativo, conforme registrado no Dicionário Houaiss, significa: "ato ou efeito de exorbitar na cobrança de preços (ex: o preço dessa loja é um verdadeiro assalto.)

    Abraços, Oscar
    Marcus Silva
    Sommelier ABS-Rio
    Rio de Janeiro
    RJ
    04/08/2010 Caro Oscar,

    Acabo de ler a matéria (reconheço que com certo atraso), e fui imediatamente no site do ZS e acabo de ver que o preço praticado no site é de R$ 75,00.

    Será que a repercussão já surtiu efeito? Ou foi um erro de impressão??? (Acho que nem o Sr. gerente sabe.)

    Vide link: http://www.zonasul.com.br/script/ZsaMostraDetProduto.cfm?pStrCodSessao=BF7C1468-0C6C-425A-8AC3-880814A5013E&pIntCodProduto=28565

    Afinal, alguém sabe o que aconteceu ???

    Marcus, isso é uma bela notícia! No dia em que publiquei a matéria, conferi o preço no Zona Sul Online e estava 135 reais (com um desconto temporário que baixava o preço para cerca de 109 reais).

    Fico contente em saber que o Zona Sul ouviu nossas reclamações e baixou o preço de forma assim tão significativa.

    O Zona Sul vai continuar a ser meu supermercado favorito para comprar vinhos!

    Oscar
    Luiz Carlos da Nóbrega
    Rio de Janeiro
    RJ
    04/08/2010 Só como informação, encontrei hoje, no ZS Botafogo (r. Bambina) o já "famoso" assemblage 35 anos 2005 por modestos 109 reais (com desconto).

    Dá para notar que o Zona Sul anda meio desorganizado em matéria de preços, renovação de estoques e assistência local aos compradores de vinho.
    Andre Luiz Oscar
    Representante
    Porto Alegre
    RS
    09/08/2010 Por essas e por outras é que fica a dúvida? Temos tantos impostos assim? Por que alguns vinhos importados de excelente qualidade são encontrados a preços bem mais acessíveis? Com a palavra os consumidores...
    Carlos Pereira
    Vendedor
    Osasco
    SP
    29/11/2010 Recentemente, tive a oportunidade de viajar a Paris, após um longo planejamento. Estive na Primtemps, um grande magazine, e comprei uma garrafa de Chateau Talbot 2005 por 15,00 euros, entre outros vinhos. Por curiosidade resolvi verificar os preços dos rótulos que trouxe. O preço do Chateau Talbot em dois grandes importadores de SP gira em torno R$ 450,00.

    Todos nós sabemos que a carga tributária no Brasil é absurda, mas o pior é a lucratividade dos importadores em cima dos consumidores, é abusiva.
    EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br