Matérias relacionadas
Argentina
Viagens

O milagre no meio do deserto
Com um grupo de enófilos, capitaneado pelo dinâmico Germán Alarcon, da SBAV/MG e do Zênithe Travel Club de Belo Horizonte, participamos de uma viagem enogastronômica à cidade de Mendoza e arredores. Dentre outras atividades, fizemos visitas com degustação em sete vinícolas, almoços com degustação em quatro vinícolas, jantares harmonizados, etc... Procurarei descrever e inserir algumas fotos de alguns desses eventos.

Antes de mais nada, não é demais mencionar que Mendoza é uma cidade situada aos pés da Cordilheira dos Andes, no oeste argentino e sua população situa-se pouco acima de 110.000 habitantes. O trabalho do homem conseguiu converter uma região desértica em um paraíso verdejante e arborizado, graças ao planejamento, trabalho e à irrigação.

No centro da cidade, as ruas e avenidas são sombreadas por árvores de grande porte, graças às "acequias", canais de irrigação que podem ser vistas em todas as calçadas, por onde corre permanentemente a água procedente do degelo na Cordilheira.

A Argentina atualmente é o 5º maior produtor mundial de vinhos que, em sua maioria provém de Mendoza, privilegiada por fatores como o clima extremamente seco, que propicia uma maturação perfeita com um mínimo de tratamentos fitossanitários, os vales localizados em grandes altitudes, o solo pobre em nutrientes, a pureza da água usada para a irrigação, etc... Em Mendoza, a precipitação média anual é de apenas 250mm, o que pode ser comparado favoravelmente com importantes regiões vinícolas do mundo, como o Vale de Napa com 600mm e Bordeaux com 900mm. Mas existe um problema: a região é sujeita a quedas de granizo, que em poucos minutos podem destruir uma safra!

A variedade Malbec se adaptou de forma tão extraordinária a esse terroir, que desenvolveu características muitíssimo distintas e superiores às que apresenta em sua região de origem, que é Cahors, na França.

Breves comentários sobre as visitas
O Clos de los Siete é um empreendimento idealizado por Michel Rolland em 1999, com a parceria de seis viticultores bordaleses. Foi implantado em Vista Flores, 110 km ao sul de Mendoza, no vale do Tunuyan, a 1100 m de altitude, em uma área de 850 hectares. 50% das uvas lá cultivadas são da variedade Malbec, ficando o restante dividido principalmente entre Merlot, Cabernet Sauvignon e Syrah.

Cada produtor pode engarrafar seus próprios vinhos, mas uma parte da colheita se destina à produção do blend que leva o nome do empreendimento. É o vinho Clos de los Siete que considero um dos melhores que degustei durante a viagem. Recebeu 92 pontos do Wine Advocate em 2007.

Outro projeto muito interessante, também no Vale do Uco, é um condomínio de vinhedos iniciado em 2005, chamado The Vines of Mendoza, que possibilita ao amante do vinho converter-se em um pequeno produtor de vinhos de classe. O condomínio, com um total de 900 acres (372 hectares) foi dividido em parcelas de 3 a 10 acres; ao adquirir uma dessas parcelas, o proprietário decide o que e como vai produzir, contando em todas as fases com o apoio de agrônomos e enólogos liderados pelo renomado viticultor Santiago Achaval, que orientam e acompanham todo o processo.

A média anual de dias de sol lá é de 330 e a amplitude térmica média é de 18 graus centígrados.

Para grande surpresa minha, o proprietário de um desses lotes, onde fomos recebidos, era nada menos que um ex-colega de trabalho de uma indústria siderúrgica onde exerci atividade. Deu à seu empreendimento o sugestivo nome de Clos de los Gaúchos. (Para quem desejar mudar de vida, informo que ainda existem alguns lotes disponíveis para venda no projeto.)

Em nossas andanças, visitamos estabelecimentos de todo porte, desde as pequenas como Atamisque e Gimenez Riili, passando por Vistalba, Achaval Ferrer, a tradicional Norton, até a imponente Bodega Salentein, verdadeira catedral do vinho.

Na Norton, alem da visita e degustação, participamos de uma aula de culinária regional, onde preparamos, sob orientação da chef Mariana Toledo, entre outros pratos, as famosas empanadas de carne mendoncinas, assadas em forno de barro. E, creiam ou não, ficaram excelentes.

Melhor do que as palavras, as fotos ilustram alguns desses momentos.

Paulo Mazeron é engenheiro, enófilo e ex-presidente da SBAV-RS
Fotos da viagem
A cidade se preparando para a Festa da Vindima Monumento à uva emblemática Telas de proteção dos vinhedos para o granizo
Em todas as bodegas, éramos recebidos com espumante O pedregoso solo de aluvião típico da região Um corte do solo típico é mostrado em uma parede na Vistalba
Espaldeiras na entrada da Salentein Com o proprietário do "Clos de los Gauchos" (ao centro) O "Asado" sendo preparado aos pés da Cordilheira
A condução cuidadosa dos vinhedos Preparando as empanadas Empanadas no forno de barro
 
Comentários
Pedro Rother
Empresario, ex-dono de restaurante na Espanha
Porto Seguro
BA
23/03/2011 Gostei muito do resumo da viagem. Eu já estava pensando de ir uma semana e gostaria de saber como compro um pacote para Mendonza, um pacote gastronomico.

Obrigado
Roberto Franco
Médico
Rio de Janeiro
RJ
24/03/2011 Pedro,

Entre em contato (rápido) com a ABS-Rio (21-2265-2157) que está com saída para maio.

Abraços, Roberto
Humberto Heidrich
La Charbonnade
Canela
RS
25/03/2011 Grande Mazeron,

Parabéns pela viagem e por nos trazer cultura sobre essa bebida maravilhosa. Pena que eu não soube antes, poderias ter visitado alguma Bodega de nosso portfolio. Bueno, mas fica para próxima.

Forte abraço
Humberto Heidrich
João Montarroyos
Mestre equitador - Dressage
Rio de Janeiro
RJ
28/03/2011 Mendoza, ótimos momentos "etílicos" passei por lá, lugar encantado. Ainda não consegui um vinho brasileiro melhor do que os mais baratos Malbec argentinos...
João Montarroyos
Mestre equitador - Dressage
Rio de Janeiro
RJ
28/03/2011 O ilustre confrade falou em empanadas e participou das suas confecções. Aproveito e dou uma dica: na Rua Barata Ribeiro 48, Lido, há uma fábrica delas, O REI DAS EMPANADAS, cujo proprietário é um argentino, e as dele são divinas de vários tipos e sabores!
Verônica Gouveia
Consultora de turismo e apreciadora de vinhos
Rio de Janeiro
RJ
29/03/2011 PREZADO PAULO,

LENDO SEU ARTIGO, FUI ARREBATADA POR UMA NOSTALGIA E ATE UMA PONTILHA DE INVEJA. LEMBREI-ME DA VIAGEM QUE EU, MEU MARIDO E UM CASAL DE AMIGOS FIZEMOS PRA MENDOZA. A HOSPEDAGEM (FICAMOS NO ACONCHEGANTE PARK HYATT), A GASTRONOMIA E VINHOS MARAVILHOSOS (EU TINHA UMA QUEDINHA PELOS CHILENOS).

EM SUA PROXIMA VIAGEM (TENHO CERTEZA DE QUE A FARA), NÃO DEIXE DE VISITAR A FAMILIAR E ACONHEGANTE BODEGA BRESSIA (COMANDADA POR WALTER BRESSIA E SEUS FILHOS) COM SEUS MARAVILHOSOS VINHOS, CREIO QUE O HUMBERTO PODERÁ TE AJUDAR.

NO MAIS, PARABENS !
VERONICA
David Appel
Empresário, administrador e enólogo amador da ABW
Cotia
SP
05/04/2011 Parabéns pela materia, o lugar é mesmo fantástico. Temos nossa vinicola no projeto The Vines of Mendonza, com quatro tipos de irrigação, onde iniciamos nosso plantio final de novembro passado. É com grande satisfação que ficamos sabendo do clos de los Gaúchos, tchê.

Abraço a todos.
EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br