Matérias relacionadas
Brasil
Chile
Vinhos do Mundo

Uma conversa muito especial
À convite da importadora Vinhos do Mundo, estive num jantar harmonizado no Quadrucci, no Leblon, com os vinhos de Mario Geisse, o mais respeitado produtor de espumantes do Brasil e não menos festejado enólogo da chilena Casa Silva. Foi uma noite e tanto, pois além dos novos vinhos, experimentamos a bela e deliciosa cozinha do chef Ronaldo Canha. E a harmonizar os dois, as habilidades de Lauro Carvalho, que assina a carta do restaurante.

Era a noite de lançamento do Casa Silva Reserva Viognier 2010, um vinho com discreta madeira (apenas 35% estagia 3 meses em carvalho francês), alto teor alcoólico de 14,5% e com o nariz característico dessa caprichosa casta do Rhône: flores e damasco. O vinho custará ao consumidor final cerca de 60 reais. Seguimos com o elegante Casa Silva Reserva Pinot Noir 2010 e, em seguida, com o Casa Silva Los Lingues Gran Reserva Carmenère 2008, que mostra como essa casta, no Chile, quando bem tratada, pode resultar em um vinho exuberante, aveludado e harmonioso.

A noite foi finalizada com o Casa Silva Cosecha Tardia Sémillon Gewürztraminer 2009, mas é desnecessário dizer que nem o provei.

No entanto, para mim, o mais importante da noite foram as novidades trazidas por Mário e seu filho Daniel sobre a revolução verde que está acontecendo na viticultura brasileira.

Thermal Pest Control
Desde 2008, a Vinícola Geisse vem empregando em seus vinhedos a tecnologia TPC - Thermal Pest Control, criada no Chile pelo empresário Florencio Lazo, meio que por acaso, como muitas das descobertas do mundo aconteceram. Ao desenvolver uma máquina para combater as geadas, Florencio se deu conta de que essa mesma tecnologia servia para combater as pragas e fortalecer as plantas.

A TPC lança um jato de ar quente, de 120ºC a 150ºC, à velocidade de 120km/h. Como resultado, o jato elimina fungos, bactérias e insetos sem prejudicar as plantas. Pelo contrário! O ar quente desperta a resposta do sistema imunológico da videira, tornando-a mais vigorosa, mais verde, mais resistente e ainda de quebra, aumentando os níveis de resveratrol nas uvas. E, melhor ainda, essa tecnologia é mais barata do que o emprego dos tão assustadores e daninhos defensivos agrícolas, que tanto prejuízo trazem à saúde humana e ao meio ambiente. Parece um sonho... e é!

Cada vez mais difundida
Mario, chileno como a tecnologia, trouxe a idéia para o Brasil, onde hoje o equipamento é fabricado. Pioneiro na utilização do processo, em 2008, já no ano seguinte emprestou as máquinas para a Lidio Carraro, que fornece uvas para sua vinícola, e para a Dunamis, onde é consultor. A enóloga Monica Rossetti, da Lidio Carraro, conta: "A safra de 2010, que teve sérios problemas climáticos, foi a nossa melhor safra graças a esta nova tecnologia."

O sistema está agora bem disseminado e no Rio Grande do Sul importantes vinícolas já o utilizam, como Miolo, Don Giovanni, Perini, Don Guerino, Chandon e muitas outras mais. Em Santa Catarina, são usuárias as vinícolas Suzin, Quinta da Neve, Pericó, dentre outras. Mas é no nordeste, em Petrolina, que a utilização está mais difundida para a produção de frutas em geral, já que o sistema não é exclusivo para a cultura da uva.

Mario, cheio de orgulho, anuncia que seus espumantes da safra 2008, a serem lançados no meio do ano, serão os primeiros a chegar ao mercado sem a utilização de defensivos químicos. Mas a Dunamis já lançou um vinho branco de uvas tratadas com essa tecnologia, o Dunamis Ser Chardonnay-Sauvignon e o primeiro tinto foi o Lidio Carraro Dádivas Pinot Noir.

Oscar Daudt
Os vinhos
Cave Geisse Nature Casa Silva Reserva Viognier 2010 Casa Silva Reserva Pinot Noir 2010
Casa Silva Los Lingues Gran Reserva Carmenère 2008 Casa Silva Cosecha Tardia Sémillon Gewürztraminer 2009
O jantar harmonizado
Roll crocante de camarões e vegetais sobre creme de palmito fresco Ravioli de pato ao molho de especiarias e demi-glace de laranja
Medalhão de filet mignon com rôti de vitelo, risoto de Grana Padano e figos grelhados Crepe soufflé com creme inglês de vanilla e calda de frutas vermelhas
Os participantes
Mario Geisse Daniel Geisse Lauro Carvalho, responsável pela harmonização
Ana Lúcia Carvalho, da Importadora Vinhos do Mundo Chef Ronaldo Canha Lorraine, gerente do Quadrucci
Comentários
Ana Lucia Carvalho
Enófila, representante da Vinicola Geisse e da Vinhos do Mundo
Rio de Janeiro
RJ
03/06/2011 Oscar, sua reportagem sempre ótima. Acrescento só a parte que você não degustou, a sobremesa divina harmonizou super bem com o Late Harvest da Casa Silva.

Bjos, Ana Lucia
Arley Souza
Sommelier
Belo Horizonte
MG
04/06/2011 Realmente, os Espumantes Brasileiros Cave Geisse estão ao nível de grandes champagnes. Pena que a maioria dos nossos consumidores, ainda gosta de beber rótulos...
Carlos Teles
Enófilo
Niterói
RJ
05/06/2011 Oscar

Parabéns. Como sempre, suas reportagens são ótimas. Para complementar o assunto, acessem neste mesmo Enoeventos, a minha entrevista com Mario Geisse, publicada recentemente, clicando aqui.

Carlos Teles
José Paulo Schiffini
Enófilo da velha guarda
Rio de Janeiro
RJ
08/06/2011 Tive oportunidade de degustar, em Niteroi, na sessão de fim de tarde para profissionais, no melhor restaurante de comida regional italiana do Rio de Janeiro, o da Carmine. Quem nunca foi deve ir, e começar degustando o pão italiano feito pelo Bruno Marasco, acompanhado de azeitonas verdes ao azeite extra virgem de oliva temperado com sementinhas de erva doce....

Mas vamos aos 5 vinhos que Mario Geisse apresentou:

  • Reserva Viognier 2008 RP=86 pontos; R$ 50,00. Muito melhor que o do Chapoutier, este é para comprar de caixa, um dos melhores viogniers que conheço!

  • Reserva Pinot Noir 2006 RP=88 pontos; R$ 50,00. Mal colocado na ordem da degustação logo após a exuberancia do anterior... Muito simples, pouco aroma, ligeiro mas muito agradável. Mario Geisse me confidenciou que ano que vem ele lança um pinot noir para competir com o do Garcez... Por esse preço eu ainda fico com o Pinot Noir da Pericó!

  • Reserva Shiraz 2006 R$ 50,00. Para comprar de caixa, excepcional para os que adoram a syrah, foi Ouro em Bruxelas.

  • Gran Reserva Carmenère 2006 RP=89 pontos R$ 78,00. O melhor do Chile, logo o melhor Carmenère do Mundo também para comprar de caixa! Relativamente, muito melhor e mais barato que os talentos e desejos nacionais.

  • 5ª Generación Tinto R$ 139,00. Vinho austero, longevo, para curtir durante as olimpiadas de 2016, mas compre agora pois lá não custará este preço..

    Schiffini do lado de lá da baia de Guanabara!
  • EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br