Matérias relacionadas
Brasil
Miolo

Em caso de bombardeio...
Bem definiu a impagável jornalista Silvia Mascella, da revista Adega, em relação ao encontro realizado na bela Casa da Fazenda, em São Paulo, promovido pela vinícola Miolo: "Se caísse uma bomba por aqui e fulminasse todos os presentes, amanhã não teria mais ninguém para escrever sobre vinhos no Brasil!" Estavam todos lá. E eu acrescento que também perderíamos a mais importante vinícola brasileira, motivo de orgulho para todos os que apreciam o vinho em nosso país.

A entrevista coletiva
Com a maciça presença de jornalistas de todo o Brasil, Adriano Miolo e Michel Rolland, que já há 9 anos presta consultoria à Miolo, apresentaram os planos da empresa, a estratégia que estão empregando para obter, a cada safra, melhores resultados e falaram da satisfação de estar produzindo vinhos cada vez mais reconhecidos no Brasil e no exterior. Após a apresentação, a palavra foi aberta para as perguntas dos jornalistas e esses não perderam a oportunidade de tentar arrancar declarações polêmicas do famoso enólogo francês. Mas Michel Rolland é escolado e não caía em qualquer armadilha.

Questionado sobre a eleição da Merlot como a uva mais bem adaptada à Serra Gaúcha, em detrimento da Cabernet Franc ou da Tannat, sabiamente respondeu que talvez essas duas últimas possam ser melhores, mas ainda devem mostrar a que vêm, enquanto a primeira já está sobejamente testada. Quanto aos brancos, Michel titubeou um pouco para ao final escolher a Viognier como a melhor casta para o Brasil. E instado a escolher o melhor vinho brasileiro, por duas vezes saiu pela tangente e disse que era aquele que cada um mais gostava.

Já Adriano, ao responder a uma pergunta sobre o que de mais importante o consultor francês havia aportado à Miolo, não pestanejou e disse que foi a capacidade de identificar as melhores castas para cada um dos terroirs onde a empresa atua. E respondendo a Didu Russo, sobre vinhos orgânicos, revelou que os planos da empresa são de praticar, na verdade, uma vinicultura sustentável, adotando práticas tais como o controle térmico de pragas (TPC) e a utilização de garrafas mais ecológicas. Mas ao mesmo tempo disse que os planos para a Vinícola Lovara são, por sua vez, transformá-la em 100% orgânica.

Os novos vinhos
Na espetacular prova realizada após a entrevista, a Miolo apresentou apenas vinhos das categorias superiores. Nada de Almadén ou Seleção. E estavam representados os 4 diferentes terroirs onde a empresa atua: Vale dos Vinhedos, Campanha, Campos de Cima da Serra> e Vale do São Francisco.

Logo de início, já me encantei pelo RAR Collezione Viognier 2010, fermentado em barricas de carvalho francês, onde passa 12 meses sobre as borras, resultando em uma acidez cativante e um nariz muito elegante. Vinho recentemente lançado, custa honestíssimos 45 reais. Uma verdadeira delícia que cabe no bolso!

E o outro branco que provei foi o Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2009, que também é fermentado e envelhecido em barricas novas de carvalho francês. Cremoso... Foi o primeiro vinho que conheci ostentando no rótulo a recentemente regulamentada DO Vale dos Vinhedos, sonho antigo da região.

No terreno dos tintos, duas foram as novidades que me impressionaram, ambas ainda não engarrafadas. A primeira delas foi um Syrah - ainda sem nome - elaborado no Vale de São Francisco, que já está há 10 meses em barricas de carvalho e deve esperar mais alguns meses até ser lançado no mercado. A produção foi mínima - apenas 1.000 garrafas - e oferece um vinho intenso, condimentado e aveludado que pode mudar o conceito dessa região que ainda está devendo mostrar a que veio.

O outro vinho ainda não engarrafado é um 100% Tannat, elaborado com vinhas de 35 anos encontradas nos vinhedos da recém-adquirida Almadén. O vinho - jovenzinho - já mostra todo seu potencial e deve melhorar, e muito, com um estágio em madeira. Também não tem nome - o codinome é Velhas Vinhas. Como diz um amigo - uruguaio, é claro! - a Tannat se dá bem na Campanha Gaúcha por que as raízes da planta viajam até o país vizinho para buscar os nutrientes. Deixa ele...

Oscar Daudt
A entrevista coletiva
O enólogo Michel Rolland O enólogo Adriano Miolo A platéia de jornalistas
Os vinhos
RAR Collezione Viognier 2010
Região: Campos de Cima da Serra
Miolo Cuvée Giuseppe Chardonnay 2009
Região: DO Vale dos Vinhedos
Quinta do Seival Castas Portuguesas 2008
Região: Campanha
Os convidados
Didu Russo, do Blog do Didu Danilo Ucha, do Jornal do Comércio de Porto Alegre Liana Sabo, do Correio Braziliense, e Fábio Miolo
Marcelo Copello foi festejado como a Personalidade do Vinho 2011 Sílvia Mascella, da revista Adega Daniel Perches, da página Vinhos de Corte
Sílvia Cintra Franco, da revista Wine Style Álvaro César Galvão - o Engenheiro que Virou Vinho - do blog Divino Guia O jornalista José Luiz Pagliari
Ivy Suda e Gabriela Monteleone, sommelières do Dalva e Dito e do DOM Alexandre Frias, do Enoblogs Bruno Agostini, de O Globo
Alexandre Santucci, ClicTV UOL Rosa Moraes, Luiza Estima e Suzana Camará André Rossi, do blog EnoDeco
Gabriel Lordello, do jornal A Gazeta, de Vitória Luciana Moglia, da assessoria de imprensa da Miolo Eu e meu amigo Renato Frascino, da Gourmet Life
(foto de Bruno Agostini)
Comentários
Nei Augusto Ribeiro
Enófilo / DJ
Rio de Janeiro
RJ
11/07/2011 Prezado Oscar

Vc sabe quando teremos disponível nas lojas do RJ os vinhos apresentados (Viognier e o Chardonnay)?

O trabalho sério que a Miolo vem fazendo, vem sendo coroado com novos horizontes para os consumidores do Brasil. Avise quando tiver esta mostra aqui no RJ.

Obrigado!

Nei, é sempre complicado encontrar esses vinhos aqui no Rio, principalmente os brancos. O melhor lugar para comprar é o site da Miolo. Se você quiser, podemos comprar uma caixa do Viognier e dividir.

Abraços, Oscar
Augusto Vieira
Restaurante Málaga
Rio de Janeiro
RJ
11/07/2011 Temos excelentes vinhos brasileiros, mas os altos tributos inviabilizam o consumo.

Augusto Vieira
Álvaro Cézar Galvão
Divino Guia
São Paulo
SP
11/07/2011 Oscar, concordo em gênero, número e grau quanto aos vinhos citados. O Syrah vai dar o que falar.
Osvaldir Castro
Professor Universitário e enófilo
São José do Rio Preto
SP
11/07/2011 Sem dúvida, um encontro magnífico. Além dos vinhos, pudemos desfrutar da companhia dos amigos.

Agradeço seu comentário no blog. Realmente foi uma pena não poder conhecê-lo pessoalmente, já que pelos escritos o faço todos os dias. Não faltará ocasião. E cumprimentos pela matéria.
Tito Villar
Médico e enófilo
Rio de Janeiro
RJ
11/07/2011 Caro Oscar:

Estamos produzindo vinhos excelentes, só que como nossas vinicolas são familiares e pequenas, fica dificil competir neste mundo corporativo.

Porém já exportamos para mais de 30 países. A Lidio Carraro já emplacou um vinho entre os 50 melhores do mundo.

Tenho uma parceira com uma pequena vinícola onde se produz um Sangiovese muito bom, apenas 600 garrafas a safra 2008; a turma do sul compra tudo, não esquenta prateleira.

Outras produzem um bom Ancelota, Marselan entre outros. A Valduga está com um enxerto chamado Arinarnoa (Petit Verdot com Cabernet, safra 2007), não é assemblange. É plantação mesmo.

A Churchil fez uma parceria doando as barricas para uma pequena vinícola fazer um espumante que passa 4 meses por elas, só 2 mil garrafas, safra 2009. Novamente como a turma do sul gosta de comer e beber bem, arrematam tudo.

Tenho uma adega de nacionais garimpada que não faz feio a estes vinhos do novo mundo. Produzimos vinhos bem melhores que os pseudo-reservas importados de até 50 reais em nossas prateleiras. Esta na hora de nós, brasileiros, começarmos a perder este preconceito.

O meu favorito da Miolo é esse Blend de castas portuguesas, muito bom.

O slogan é: Vinho brasileiro, eu apoio.

Abraços

Tito, você é produtor? Você nunca tinha me falado isso! Que bela novidade! Qual o nome de seu vinho e onde posso comprar?

Abraços, Oscar
Fátima Mendonça
Advogada-Winemaker-Twiteira
Fortaleza
CE
11/07/2011 Fico feliz em ver os vinhos brasileiros em destaque! Parabéns ao Adriano Miolo e sua equipe de enólogos, que merecem todo o sucesso!

Bom demais ter o Michel Rolland mais uma vez em terras brasileiras... Quem dera recebê-lo aqui em Fortaleza para degustar a versão do vinho winemaker-SOHO (cujo corte foi por ele definido,lembra Oscar?) recentemente lançado aqui com a presença do querido Adriano e revela-se uma boa taça!

Parabéns, Oscar, pela bela matéria!
Carlos Teles
Enófilo e administrador
Niterói
RJ
11/07/2011 Prezado Nei Augusto,

Sei da sua preferência pelos vinhos brancos, destacadamente o Viogner. Em matéria de Alexandre Lalas, denominada "Prova de Viognier", publicada no EnoEventos em 06 de dezembro de 2009, ele reporta uma degustação às cegas de 13 vinhos, produzidos na Argentina, Chile, França, Austrália, Uruguai, Itália e Brasil. O Viognier Fortaleza do Seival 2008 da Miolo, na época R$17,00, ficou em 7º lugar.

Eu fiz o seguinte comentário: "Alexandre, já provei alguns exemplares feitos com a uva Viognier, mas poucos com a tipicidade do Fortaleza do Seival da Miolo. Estou falando tão somente da qualidade do vinho, porque se for falar de custo/benefício, aí então ele é imbatível. Não chegam nem perto".

Eu humildemente corcordo com o Michel Rolland. O Viognier produzido no Rio Grande do Sul, tem uma acidez exuberante, coisa difícil na casta.

Sds
Carlos Teles
Gabriel Lordêllo
Enófilo, Jornal A Gazeta
Vitória
ES
12/07/2011 Oscar,

Parabéns pela cobertura, também estou esperando um syrah surpeendente! O Viognier e o castas portuguesas estavam bons também. O Tannat vamos esperar...

Grato pela foto!

Abraço
Gabriel Lordêllo
Paulo Bouzan
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
13/07/2011 Prezados frequentadores dessas tão instrutivas páginas.

Irei ao Vale dos Vinhedos, agora em julho, poderiam me recomendar alguns vinhos que não posso deixar de degustar?

Paulo, se você gosta de brancos, recomendo esse Viognier da Miolo do qual falo na matéria. Abraços, Oscar
Cassia Padilha
Enófila
Porto Alegre
RS
15/07/2011 Aprecio muito os vinhos nacionais, principalmente os da Serra Gaúcha... Além da Miolo, outra vinícola encantadora é a Marco Luigi, simplicidade e qualidade a qualquer safra.

Abraços.
Luiz de Oliveira Jr.
Consultor do vinho e apresentador de TV
João Pessoa
PB
23/07/2011 Oscar, excelente, bem organizado, ótima ideia, alta qualidade e o assunto.

Parabéns.
Luiz Jr
Paulo Bouzan
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
23/07/2011 Prezado Oscar, obrigado pela indicação. Realmente um vinho de excelente qualidade.

Prezado Sr. Tito, concordo plenamente com o Senhor. Passei uma semana na região do Vale dos Vinhedos e realmente a qualidade é excelente. O espumante Valmarino Churchil (citado em seu comentário) é espetacular (trouxe dois comigo..), além de inúmeras outras vinícolas pequenas que merecem destaque (Angheben, Valontano, Pizzato... , por exemplo).
Arley Pereira
Enólogo
Rio de Janeiro
RJ
04/08/2011 Caros,

Segue a baixo uma lista de alguns locais no Rio onde já será possível encontrar os vinhos brancos super premiuns da Miolo. Desfrutem!

Cuvée Giuseppe Chardonnay (lojas)
Ventura Alimentos Araras - Delicatessen
Mundo das Bebidas Itaipava - Delicatessen
Cantinho de Minas PETROPOLIS - Delicatessen
Drink e Companhia NOVA FRIBURGO - Delicatessen
Emporio de Itaipava PETROPOLIS - Delicatessen
BARDOT Grajaú - Delicatessen

Cuvée Giuseppe Chardonnay (restaurantes)
Bordeaux Restaurante PETROPOLIS - RESTAURANTE
Galpão Gourmet NOVA FRIBURGO - RESTAURANTE
Emporio São Benedito CABO FRIO - RESTAURANTE
Alameda Botafogo - RESTAURANTE

RAR Viognier
Astoria Leblon - Restaurante
EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br