E Deus Criou a Mulher
Não há nada no restaurante que remeta a Brigitte Bardot que povoou os sonhos dos adolescentes da década de 1960. Não há uma só foto da descobridora de Búzios e a decoração da casa é moderna, de ângulos retos e de cores frias, não lembrando em nada aquela década tão distante e nem as esfuziantes curvas da francesinha. Nem ao menos, o número de Ts do nome do novo bistrô - Brigite's - coincide com o nome da atriz. Mas quando a gente lembra que no mesmo endereço da nova casa antes funcionava o Bardot, fica difícil de não fazer a associação...

Parte da entusiasmante leva de novos endereços que abriram no final de 2011, o Brigite's tem andado de casa cheia desde então. O novo empreendimento é de um trio de empresárias - Ana Carolina Gayoso, Bia Stewart e Marina Hirsh - que tomou de assalto a badalada rua Dias Ferreira, no Leblon, e hoje comanda três restaurantes por lá: a nova casa e mais o tradicional Sushi Leblon e o Zuka.

No térreo, o Brigite's tem algumas poucas mesas e um longo e charmoso balcão que é o lugar mais disputado da casa pois, interagindo diretamente com os barmen, pode-se assistir à caprichada elaboração dos coquetéis. É no mezanino, no entanto, que se encontra a maior parte das mesas, sendo duas delas grandes távolas redondas.

Carta inteligente
A carta de vinhos, assinada pelo consultor Paulo Nicolay, surpreende em muitos aspectos. O primeiro é concisão, pois são apenas 23 rótulos. O segundo é a eficiência, pois tudo o que você desejar, pode encontrar por lá, com uma variedade de castas e países que atende a todos os gostos, sem cair no lugar-comum; até vinho do Canadá tem, e não é ice wine! O terceiro é a praticidade, pois dos 23 vinhos da carta, nada menos do que 17 são vendidos em taça!

E o quarto aspecto positivo - e, como sabem os leitores assíduos, para mim o mais importante - são os preços, honestíssimos. Com as taças começando em 12 reais, pode-se escolher 10 rótulos até o preço de 20 reais. Explicou-me Paulo: "A intenção da casa é oferecer vinhos a preços acessíveis para incentivar o consumo. Como a carta é curtinha e o consumo é elevado, pudemos negociar com os fornecedores preços especialíssimos, em função da grande quantidade comprada." E onde mais, nesta cidade, pode-se beber uma taça de Champagne por 25 reais? Ganha um autógrafo de Don Pérignon quem me indicar. É realmente uma estratégia inteligente essa, não é mesmo?

Alguns podem ficar assustados em saber que, com tantos vinhos em taça, a casa não conta com aquelas máquinas do tipo Enomatic. Na verdade, o que funciona por lá é o bom e velho Vacu-vin. Mas não é preciso ficarem apreensivos com isso, pois como a rotatividade é grande, até o Vacu-vin seria desnecessário. E essa economia de investimento também colabora para a formação dos preços baixos. É exatamento o esquema que a gente vê nos tradicionais bares de vinho europeus...

Cozinha de bistrô
O cardápio também não é muito extenso, mas tem tantas propostas interessantes e criativas que em uma só visita não se pode matar todas as curiosidades. Como estávamos em três à mesa, no entanto, pedimos 3 entradas e 3 pratos principais que foram socializados, permitindo a todos conhecer um pouco mais do menu.

Existe uma seção chamada Balcão que lista os tira-gostos servidos adivinhem onde? Eu não provei, mas ouvi falar muito bem do Coquetel de Camarão, um quitute que andava esquecido, fora de moda, e que parece agora estar revivendo nas cartas da cidade para alegria dos saudosistas.

A melhor entrada - na verdade, o melhor de tudo na noite - foi um espetacular Gravlax com creme fresco temperado com cardamomo, que fazia um conjunto exótico e delicioso, ainda mais que acompanhado por umas torradinhas que deveriam ser vendidas separadamente de tão boas. Quem for lá, não pode deixar de experimentar. Outro ponto alto das entradas foram os Croquetes de pato, crocantes por fora e cremosos e cheios de carne por dentro. Showzaço!

Mas mesmo eu, que sou um polvófilo, fiquei decepcionado com o Carpaccio de polvo, uma espécie de embutido do molusco, de gosto ligeiro e com um consistência que tornava impossível serví-lo sem fazer uma grande lambança.

Dos pratos principais, gostei muito da criatividade e do sabor do Pappardelle de pupunha em parmesão trufado, onde o palmito cozido com açafrão fazia as vezes da massa. E excessivamente deliciosa era a D'Angola ao leite azedo - o azedo me deixou um pouco temeroso - mas foi só provar o prato para ver que era de uma perfeita harmonia. E vinha sobre uma cama de excepcionais - olha elas aí de novo! - torradinhas.

E, outra vez, eu que além de polvófilo sou também um cogumelófilo, achei a Caçarola mix de cogumelos uma decepção: surpreendentemente, dentro da mesma mistura, os cogumelos de Paris estavam sobre-temperados enquanto os Portobellos eram sem gosto e com uma textura, digamos, anacrônica...

Oscar Daudt
Os vinhos
Greywacke Sauvignon Blanc 2010 Jaraman Riesling 2009 Viña Casablanca Nimbus Chardonnay 2007
Roux Père et Fils Chardonnay 2009 Denis Race Chablis 1er Cru Montmains 2009 A bonita champanheira de madeira
As comidas
Couvert Carpaccio de polvo Gravlax com creme fresco
Croquete de pato Papardelle de pupunha em parmesão trufado D'Angola ao leite
Caçarola mix de cogumelos Brownie com recheio de chocolate branco Pudim de leite no copo
O restaurante
A fachada O Brigite's também oferece uma extensa carta de drinks A promotora de eventos Lou Bittencourt e a chef Ludmila Soeiro
As cartas
A carta de vinhos A carta de comidas A carta de bebidas
Comentários
Carlos Reis
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
27/01/2012 Mais um golaço do Paulo Nicolay (quanto à carta)! Parece que a tendência de cartas de vinhos honestas está pegando no Rio! Vou lá!
Luiz Carlos Cattacini Gelli
Empresário
Rio de Janeiro
RJ
30/01/2012 Como produtor do Cattacini Extra-Brut, espumante brasileiro que foi incluído na carta do Brigite's:

  • Gostaria de agradecer ao consultor Paulo Nicolay. Ter um produto incluído em uma carta tão enxuta, concisa e inteligente como a do Brigite's é um orgulho muito grande. Tenho certeza que muito contribuirá para a divulgação dos vinhos nacionais e no caso do Cattacini Extra-Brut. É a consagração definitiva do espumante nacional!;

  • Como o restaurante ainda encontra-se em "soft opening", aproveito a oportunidade para solicitar que seja feita a correção do nome do espumante que aparece grafado erradamente na carta de vinhos, além de seu estilo estar incorreto - Cattacini Extra-Brut;

  • Aproveito para elogiar o trabalho do Oscar, sempre muito bem feito e agora mais ainda quando começou a reproduzir as cartas dos restaurantes;

  • Também gostaria de fazer um agradecimento especial à Marina e à Carolina, pela grande oportunidade dada ao vinho nacional e no caso ao Cattacini Extra-Brut, quando referendaram as escolhas do Paulo Nicolay;

  • E finalizando, já estive no local e o restaurante é realmente espetacular!
  • Eduardo Amaral
    Enófilo
    Rio de Janeiro
    RJ
    30/01/2012 Oi Oscar,

    Estive por lá sexta passada. Pontos altos foram parecidos com os seus: gravlax e galinha d'angola. Fernanda provou um belo filet em pimenta negra que rebatia no paladar o que reluzia na apresentação. Os pães do couvert estavam inconsistentes e o steak tartare apenas OK.

    Para começar fomos de Floridene Rosé do simpático Denis: ótimo! O tão bem comentado Poderuccio me pareceu mediano, meio arestado. Para fechar, o brownie com chocolate branco estava ótimo. Dizem que o do Café Sorelle é melhor, mas tenho minhas dúvidas.

    Parabéns a todos os envolvidos nessa ótima novidade em nossa cidade.
    Nicola Massa
    Castello di Ama
    Rio de Janeiro
    RJ
    31/01/2012 Olà Oscar,

    Além da carta de vinhos e da comida, que na verdade não provei ainda, gostaria de destacar a possibilidade de beber cocktails feitos com bons licores, no balcão e numa forma descontraída. Eu geralmente vou lá depois do jantar e adoro sentar e beber meu Tanqueray Ten Tonic ou um copo de Chartreuse com muito gelo!

    Abraço e até breve,
    Nicola
    EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br