Matérias relacionadas
Brasil

O engenheiro que virou vinho (*)
Luiz Carlos Cattacini Gelli é mais um dos participantes do grande grupo de engenheiros - do qual, orgulhosamente, faço parte - que se apaixonaram pelo vinho. Mas ele deu um passo adiante e em lugar de apenas apreciar ou escrever, partiu para vôos mais altos e decidiu criar sua própria marca: a Cattacini.

Gelli decidiu produzir seus vinhos utilizando um esquema que é bastante comum em outros países: sem vinhedos nem vinícola, ele compra uvas de qualidade, cuidadosamente selecionadas, e vinifica-as em instalações de terceiros. Dele mesmo, só a marca e as decisões técnicas...

Engenheiros costumam ser materialistas e rejeitar tudo aquilo que não seja 1 + 1 = 2. Não é o caso do novo produtor, um místico que nada de braçada em simbolismos e superstições. Já trilhou o Caminho de Santiago, afirmando que essa experiência mudou sua vida. Marcou o almoço de apresentação de seus vinhos para o dia 25 de julho, que vem a ser exatamente... o Dia de São Tiago. E contava para todos, com grande emoção, que o primeiro convidado a chegar ao almoço - que nem ao menos conhecia - apresentou-se com Santiago. Gelli entrou em alfa com aquilo que parecia ser uma mensagem das estrelas.

E o almoço, prestigiado por um sem-número de representantes dos restaurantes mais descolados da cidade, foi um sucesso, contanto até com a bissexta presença em eventos desse tipo da crítica Luciana Fróes . Foi uma indiscutível demonstração de interesse pela produção brasileira "de autor". Tomando conta da galeria do Brigite's, na Dias Ferreira, foram momentos saborosos, em que os vinhos namoraram os deliciosos pratos do gastrobar.

Os vinhos
Atualmente, a carteira da empresa já conta com 3 vinhos. O primeiro a ser lançado foi o Cattacini Espumante Extra-Brut, corte de 50% Chardonnay e 50% Pinot Noir, elaborado em colaboração com a Miolo. Gelli explica: "Meu objetivo foi criar um vinho com baixo teor alcoólico (12%) e pequena quantidade de açúcar residual (3,5g/l), para conquistar os consumidores que têm a preocupação em 'manter a linha'. Com isso, temos uma bebida leve e refrescante, bem apropriada para o clima brasileiro". E realmente, trata-se de um belo espumante, daqueles que você pode beber incansavelmente. No almoço, o vinho acompanhou um delicioso Gravlax com creme fresco e ovas e deu um show de perfeita harmonização.

O branco que Gelli produz é quase uma raridade. É elaborado com a casta Peverella, virtualmente desconhecida no mercado internacional. Meus guias de castas simplesmente ignoram sua existência, mas uma busca pelo Google revela, sem grande confiabilidade, que é apenas um sinônimo da Verdicchio, uva largamente utilizada no Marche, Itália, e que produz o conhecido vinho Verdicchio dei Castelli di Jesi. Indefinições à parte, a verdade é que essa casta foi trazida para a Serra Gaúcha pela Dreher, nos anos 1920, e em poucos anos tornou-se a mais difundida uva vinífera branca naquele estado.

No entanto, a partir dos anos 1970, com a chegada das multinacionais e com o objetivo de plantar variedades mais reconhecidas pelo público consumidor, a Peverella, foi gradualmente substituída pela Chardonnay, entrou em declínio e hoje está restrita a uma pequena vinícola, Cantina Salvati & Sirena localizada nos Caminhos de Pedra, em Bento Gonçalves. Em 2008, no tempo em que eu ainda produzia "vídeo-vinhos", gravei um episódio com o Peverella dessa cantina (clique aqui para recordar) e fiquei desapontado com a falta de acidez do vinho provado. E é dessa mesma vinícola que o novo produtor obtem as uvas para elaborar seu vinho. Embora os participantes do almoço tenham ficado emocionados com o novo Cattacini Peverella 2011 e seus aromas de banana e sua madeira discretamente integrada, o Gelli que me perdoe, mas eu continuo achando que um pouco mais de acidez não faria mal a ninguém.

A prova finalizou com a apresentação do novo Cattacini Merlot 2009, também elaborado pela Miolo e que vem com um temperinho de 5% de Cabernet Sauvignon. Belo vinho que escortou com galhardia a Carne assada com nhoque e cebola caramelizada. Gastronômico, elegante e com aromas generosos de fruta com especiarias. Excelente!

Brevemente em nossas taças
O irriquieto Gelli já tem planos ambiciosos para daqui em diante. Saindo do forno, duas novidades. Um Gewürztraminer, cuidadosamente garimpado em um pequeno vinhedo da Luiz Argenta, de Flores da Cunha, será o próximo vinho a vestir o rótulo azul-profundo da Cattacini. E, em seguida, um espumante rosé, elaborado em conjunto com a Santa Augusta, de Santa Catarina.

Depois desses próximos lançamentos, a idéia é lançar um novo branco surpresa - mais uma! - e um vinho do Vale do São Francisco, com a intenção de refletir as principais regiões vinícolas brasileiras na crescente carteira.

Ao Gelli, deixo meus parabéns pelo empreendedorismo e audácia! Se eu fosse ligado em horóscopo, diria que devem ser características de um sagitariano...

Oscar Daudt
27/07/2012

(*) aproprio-me do bordão de meu amigo Álvaro Cézar Galvão para melhor descrever o novo produtor
Os vinhos
Cattacini Espumante Extra-Brut Cattacini Peverella 2011 Cattacini Merlot 2009
O almoço do Brigite's
Shot de pupunha com lascas de alho-poró Ravioli com sopa de tomates Gravlax com creme fresco e ovas de massago
Namorado, purê de grão de bico, espinafres salteados e migas crocantes Carne assada com nhoque de batata e cebola caramelizada
Os participantes
Os vinhos foram apresentados pelo consultor Paulo Nicolay
O Brigite's estava lotado de representantes dos mais descolados restaurantes do Rio de Janeiro Cristiana Beltrão, do Bazzar
Gabriel Carvalho, o chef do Ix Dionísio Chaves, da Bottega del Vino
Jan Santos, do Entretapas, e Lou Bittencourt, produtora de eventos Pedro de Mello e Souza, da Eatin' Out
Comentários
Renato Martiniano
Empresário
Rio de Janeiro
RJ
27/07/2012 Meu caro amigo Oscar,

Li com muita satisfação a matéria sobre a Cattacini, vinhos do meu amigo Gelli. Acompanhei o nascimento da Cattacini e torço muito por ela e por seu proprietário.

Luiz Carlos Gelli foi a pessoa que me apresentou e me iniciou a este maravilhoso mundo do vinho. Lembro quando o conheci, namorado da melhor amiga da minha esposa, na época ainda namorada, e que quando convidados a sua casa, eu na minha ainda ignorância vinícola levava minha "meia dúzia" de cervejas por saber que lá só se bebia espumantes e vinhos.

Pois bem amigo, após algumas tardes e noites agradáveis em sua casa, me rendi à alegria dos espumantes, à refrescância e delicadeza dos vinhos brancos, aos aromas e paladares dos tintos e assim, graças a Deus e ao Gelli, me converti a enófilo de carteirinha!!!!!

Sucesso a Cattacini!!!!!
Osvaldir Castro
Enófilo
São José do Rio Preto
SP
27/07/2012 O Luiz Carlos Gelli é, sem dúvida, um pioneiro, no mercado brasileiro, com a sua proposta.

Conhecemos ele e o seu "produto" durante o Curso de Winemaker, na escola da Miolo. E vimos acompanhando a sua luta e o seu trabalho. E mais ainda, por inúmeras ocasiões degustado os seus vinhos. Recentemente tivemos a satisfação de recebê-lo aqui na terrinha de São José e, juntos, com mais alguns companheiros enófilos, brindamos! Uma noite para não se esquecer, dele e de seus caldos.

Continuaremos a segui-lo, torcendo pelo seu maior sucesso.
Luiz Carlos Cattacini Gelli
Empresário
Rio de Janeiro
RJ
27/07/2012 Caro Oscar,

Gostaria de agradecer as suas palavras, mais que generosas, as indispensáveis pitadas de humor e as suas sinceras considerações.

Só tenho a agradecer: o seu apoio e a participação dos convidados, do porte que você destacou, além de valorizar o lançamento de uma nova marca, se tornou numa de declaração conjunta de amor ao vinho brasileiro.

Mais uma vez obrigado! Obrigado, meus clientes, amigos, familiares e vinícolas parceiras.

Abraços fraternos
Gelli
Rubens Ghidini
Profissional de Cozinha e Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
27/07/2012 Boa tarde, Oscar! É com muita felicidade que leio a matéria publicada aqui em seu blog, que, aliás, já "favoritei".

Fui aluno do Gelli na faculdade de gastronomia, e posso testemunhar a favor da sua paixão pelo vinho, profunda e autêntica. Pena não ter comparecido ao evento, pois realizei um jantar no mesmo dia.

Desejo muito sucesso ao Gelli e aos seus vinhos!
Fátima Mendonça
Advogada-Winemaker-Social Media
Fortaleza
CE
27/07/2012 Fico muito feliz com o sucesso do meu querido colega winemaker, com seus vinhos de extremo bom gosto! Tive o prazer de ser presenteada com seu inesquecível espumante, o qual degustei em casa no almoço de Páscoa com minha filha.

O tinto dele é outro vinho inesquecível, que nós tivemos a honra de elaborar, juntamente com os enólogos da Miolo e mais 22 colegas enólogos amadores, participantes do curso de Winemaker da América Latina-1ª Turma da Escola do Vinho/Miolo, cujo corte teve à frente Michel Rolland. A minha versão foi rotulada como SOHO.

Só me falta provar o vinho branco do querido Luiz Cattacini... espero fazê-lo em breve!

Bela matéria Oscar!

Parabéns Luiz, Oscar e a todos que prestigiaram o evento.
Abilio Cardoso
Dentista e Enófilo
Brasília
DF
28/07/2012 Oscar, temos outros exemplares de Peverella no Brasil como o Cave Ouvidor e o Era dos Ventos.

Abraço

Pois é, Abílio, inclusive fui convidado para uma horizontal-vertical desses dois vinhos, aí em Brasília, durante a Vinum Brasilia. Abraços, Oscar
Osvaldo Sandim
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
14/08/2012 Tenho acompanhado o trabalho do Gelli. Nele estão embutidos seriedade e profissionalismo. Parabenizo pelo evento e desejo ao meu amigo que o caminho não seja tão árduo, mas seja coroado de êxito.

Osvaldo Sandim.

P.S. - Sacanagem..... nâo fui convidado! (rs rs).
EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br