Matérias relacionadas
Chile
Cantu
Cavist

Vinhos metódicos
Para o ouvido cartesiano de um engenheiro, a descrição sistematizada de um estilo de vinhos, soa como música. O enólogo Alejandro Galáz, que assina os vinhos da Ramirana, apresentou-me a seguinte equação que define sua produção:

  • Acidez: mais elevada
  • PH: mais baixo
  • Álcool: mais baixo
  • Fruta: mais elevada
  • Carvalho: mais baixo
  • Vocação gastronômica: mais elevada
  • Inovação: mais elevada

    "Nossos vinhos requerem mais horas de enólogo por litro."

    Alejandro Galáz
    Eu gostei tanto e achei tão simples de entender que me pareceu uma boa ideia se todos os vinhos tivessem essa tabela no contra-rótulo. O que ele esqueceu de incluir em sua fórmula é o componente emocional: salta aos olhos a paixão que o jovem enólogo dedica a seus filhotes!

    A Ramirana é o lado boutique da gigante chilena Ventisquero. Enquanto esta elabora cerca de 1,3 milhões de garrafas ao ano, a pequena filial ajuda com apenas 3% desse total. São vinhos de pequenas produções e baixíssimos rendimentos que, segundo a definição de Alejandro, requerem "mais horas de enólogo por litro de vinho". As uvas são provenientes de 2 vales chilenos: as brancas se originam de Lolol, enquanto as tintas são plantadas no Valle de Maipo, mas bem no limite, pertinho da costa.

    Novas fronteiras
    Alejandro contou-me que a próxima novidade, a ser lançada no início de 2013, forçará o redesenho do mapa vitivinícola chileno: os vinhedos são plantados em Huasco, em pleno deserto de Atacama, cerca de 200km acima do limite norte hoje conhecido, que é o Valle del Elqui. Localizado a 20km da costa, em uma área que já foi fundo do mar na pré-história, com sedimentos calcáreos e com o sal cobrindo de branco o solo (eu vi a foto e é incrível), o enólogo garante que seu vinho terá um caráter mineral bastante peculiar!

    O novo vinho será um Sauvignon Blanc com a minúscula produção de 2.000 garrafas. Dessas, apenas 200 chegarão ao Brasil e somente 50 aportarão nas praias cariocas. Portanto, enófilos, correi! Mas o vinho será vendido exclusivamente em um restaurante apenas, que Alejandro preferiu não identificar para manter uma aura de mistério

    Os vinhos da degustação
    Contrariando os usos e costumes do Novo Mundo, a Ramirana aposta em vinhos de corte e metade de sua produção é uma mistura de castas, muitas vezes insólita. E o primeiro vinho é um bom exemplo disso: o Ramirana Gran Reserva Sauvignon Blanc Gewürztraminer 2011 faz a perfeita sinergia entre as duas castas, com o caráter floral da Gewürz domando os excessos herbáceos da Sauvignon, para chegar à taça com boa estrutura e deliciosa acidez.

    Seguimos com outro branco de corte não tão exótico assim: o Ramirana Reserva Chardonnay Sauvignon Blanc 2010 mistura as duas rainhas brancas em uma mineralidade deliciosa, contrapondo o frescor da Sauvignon com a complexidade e a estrutura da Chardonnay barricada. Deliciosamente estival!

    A criatividade do enólogo não tem limites e no primeiro tinto,
    Ramirana Gran Reserva Syrah Carmenère 2010, mistura duas castas que nunca pensaram em andar de mãos dadas. Eu encarei o corte com um pé atrás, mas fiquei entusiamado com o resultado que, para mim, foi o melhor custo-benefício do almoço. Sua vocação gastronômica o fez dar um "show de bola" - Alejandro gostou dessa expressão - na harmonização com os carrés de cordeiro de Janine Sad.

    E ao final, o top, a cerejinha do bolo, foi o filho bem-amado do enólogo, o Ramirana Premium Trinidad Vineyard 2008, corte cirúrgico de 64% Syrah, 23% Cabernet Sauvignon e 13% Carménère. Vinho feito no capricho, passa 14 meses em carvalho da Borgonha (sendo 28% novos) e ainda descansa outros 12 meses em garrafa, para que, ao chegar às mãos dos consumidores mais apressados, já esteja prontinho para consumir; se o comprador for mais paciente, pode esperar uns 10 a 15 anos. Vinho elegante, aveludado e com grande estrutura, é quase interminável.

    Oscar Daudt
    10/10/2012
  • Os vinhos
    Ramirana Gran Reserva Sauvignon Blanc Gewürztraminer 2011
    Origem: Valle de Lolol
    Castas: 70% Sauvignon Blanc, 30% Gewürztraminer
    Amadurecimento: 3 meses sobre as lias
    Álcool: 13%
    Preço (Cavist): R$79,10
    Ramirana Reserva Chardonnay Sauvignon Blanc 2010
    Origem: Valle de Colchagua (Chardonnay) e Valle de Lolol (Sauvignon)
    Castas: 55% Chardonnay, 45% Sauvignon Blanc
    Amadurecimento: 3-4 meses sobre as lias
    Álcool: 13%
    Preço (Cavist): R$51,80
    Ramirana Gran Reserva Syrah Carmenère 2010
    Origem: Valle del Maipo
    Castas: 59% Syrah, 41% Carménère
    Amadurecimento: 14 meses em barricas de carvalho francês de usos diversos
    Álcool: 14%
    Preço (Cavist): R$79,10
    Ramirana Premium Trinidad Vineyard 2008
    Origem: Valle del Maipo
    Castas: Syrah, Cabernet Sauvignon, Carménère
    Amadurecimento: 16 meses em barricas de carvalho francês
    Álcool: 14,5%
    Preço (Cavist): R$125,30
    Os participantes
    Alejandro Galáz, enólogo da Ramirana, e Marcelo Copello, da revista Baco Nicolás Farías, embaixador da Ventisquero no Brasil
    Fernando Mourão, representante da Importadora Cantu no Rio de Janeiro O enólogo e seu filho predileto
    Comentários
    Rene Alfredo Schirr
    Médico e enófilo
    Pato Branco
    PR
    15/10/2012 Caro Oscar

    Os vinhos RAMIRANA são tudo o que você escreveu com muita propriedade. Surge com eles, uma linha diferente dos tradicionais.

    Saudações. Um abraço.
    EnoEventos - Oscar Daudt - (21)9636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br