Matérias relacionadas
Restaurantes

Roteiro cinematográfico
Os italianos Costanza Assereto e Nicola Rombi tinham suas vidas bem estabelecidas em Turim; ela, trabalhando no mundo da moda, em constantes viagens; ele, um executivo do mercado financeiro sofrendo as frenéticas pressões do trabalho. Até que, como num enredo hollywoodiano, ambos decidiram jogar tudo para o alto e se mudar para os trópicos. Mais precisamente, o Rio de Janeiro...

Patrimônio histórico
Após minuciosa garimpagem pelas ruas do Rio, os dois sócios caíram de amores por um sobrado do século XIX que - diga-se de passagem - estava em péssimas condições de conservação. Mas a localização era imbatível, na quadra mais badalada da rua do Lavradio, na Lapa, cercado de endereços cultuados pela boêmia carioca.

A casa passou por uma criteriosa recuperação, apoiada pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade e contou com a vinda de artesãos italianos, especializados no trabalho com madeira de demolição e o resultado ficou um brinco!

E o ponto alto da casa foi a instalação de uma antiga estante que estava para ser destruída junto com a Lidador da rua da Assembleia. É belíssima, histórica e só ela já vale uma visita.

Cozinha mediterrânea
Para comandar a cozinha e diferenciá-la do entorno descompromissado, a casa chamou a chefe Jaqueline Almeida, uma brasileira que por muitos anos mexeu as panelas na Itália e especializou-se em cozinha mediterrânea.

Os 'arancini', bolinhos de arroz fritos originários da Sicília, são um espetáculo à parte e dão de dez nos originais que conheci naquela ilha italiana. Crocantes, cremosos por dentro e de uma delicadeza ímpar, são quase obrigatórios.

Outro momento especial foram os nhoques, cujo ragu é uma mistura de carne de porco, cordeiro e vaca, lentamente preparado por 3 longas horas para oferecer um sabor inigualável!

E, finalmente, recomendo também o porco assado, leve e macio, e que vem acompanhado com trigo sauté misturado a frutas secas e castanhas. Delicioso e consistente.

Pequena carta de vinhos
A grande aposta da casa são as cervejas e os drinques. O garçom contou-me que, durante o período da Copa, foram vendidas mais de 2.500 caipirinhas!

Os vinhos são, portanto, coadjuvantes e a escolha fica limitada a apenas 12 rótulos (11 deles da Mistral). Mas para o que se propõe, a carta é eficiente. O que é de surpreender, no entanto, é que não haja nenhuma opção de espumantes brasileiros, que são o grande sucesso dentre os consumidores. Em um lugar festivo, descontraído e frequentado por muitos turistas estrangeiros, minha sugestão é a de que essa omissão seja corrigida rapidamente.

Oscar Daudt
24/07/2014


Serviço:
Casa Momus
Rua do Lavradio, 11
Lapa - Rio de Janeiro - RJ
Fone: (21)3852-8250
www.casamomus.com.br
O jantar
Arancini de ervilha com mozzarella de búfala
R$28 (4 unidades)
Nhoque ao ragu toscano
R$36 (prato do menu de almoço)
Assado de porco com trigo sauté, mix de castanhas, frutas secas e redução de aceto balsâmico
R$49
Café Gourmand (um café e 3 mini-sobremesas)
R$18
Tikal Alma Negra Blend
R$135
A equipe
Os sócios da casa: Costanza Assereto e Nicola Rombi A chef Jaqueline Almeida
A bela casa
(fotos de divulgação)
O salão inferior O andar superior A espetacular estante que pertenceu à Lidador da rua da Assembleia faz as vezes de bar
As cartas
Comidas Bebidas

Comentários
Marcus Verol
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
24/07/2014 Oscar,

Dessa vez, você não fotografou o cardápio e a enxuta carta de vinhos? Vi que o site apresenta o cardápio e a carta, mas como estão os preços?

Abraços, Marcus

Marcus, obrigado por me alertar. Foi só esquecimento meu na hora de publicar. Agora já estão apresentados. Abraços, Oscar
Ignacio Carrau
Empresário
Rio de Janeiro
RJ
24/07/2014 Muito boa a reportagem, caro Oscar, assim como todas as que vc nos oferece neste seu site impecável.

Que pena que a Casa só tenha vinhos de 1 importadora. Será q eles fizeram uma EXCLUSIVIDADE? Imagino que não e que dessa forma possam melhorar a Carta sem necessidade de se sobrecarregar de vinhos.

Gostaría de saber com quem deve se contactar para ver a possibilidade de oferecer algum vinho diferente que possa enriquecer a bela Casa e os seus maravilhosos pratos. Só pelas fotos, dá para ver que têm delícias que devem ser experimentadas com alguém especial em qualquer día da semana.

PARABÉNS aos proprietários!!! E a você, Oscar, pela bela reportagem.

Ignacio Carrau
021 9 8126 6049
Bodegas Carrau
Uruguai

Ignacio, vou passar seu contato para a assessoria de imprensa e pedir para ela te orientar. Abraços, Oscar
Marcus Verol
Enófilo
Rio de Janeiro
RJ
24/07/2014 Oscar,

Uma sugestão: quando for fazer matérias sobre restaurantes, poderia colocar quanto é cobrado pela rolha, caso queiramos levar o vinho de casa. Isto até poderia alimentar seu "banco de dados" quando você for fazer o esperado (e sensacional) levantamento de quanto é cobrado pela rolha nos restaurantes do Rio de Janeiro.

Abraços, Marcus

Valeu, sugestão anotada! Oscar
Laura Cavallieri
Assessoria de imprensa
Rio de Janeiro
RJ
24/07/2014 A taxa de rolha da Casa Momus é de R$ 60.
Rafael Mauaccad
Enófilo
São Paulo
SP
24/07/2014 Oscar,

Vou pegar uma carona no seu relato e exaltar a visão comercial dos empreendedores em se estabelecer, em primeiro lugar, no Rio, quando poderiam ter escolhido qualquer outro do planeta; na escolha do local histórico, tombado, turístico nacional e internacional e boêmio; em investir no restauro e contemporânea decoração, quando poderiam ter dado só aquela maquiada no imóvel; na escolha da cozinha italiana em território ocupado pelas brasileira e francesa; e por último na escolha em atender o público disposto a pagar o ticket médio de R$ 100,00 por pessoa sem bebidas.

Faço minha ressalva quanto às escolhas da carta de vinhos, principalmente, pela origem dos proprietários, que desde pequenos seus pais deviam oferecer uma fatia de pão mergulhado no vinho, e na adolescência um copo da bebida misturada a água, para suas iniciações à cultura enogastronômica.

Deixo minha opinião para eles repensarem a carta oferecida, privilegiando os vinhos brasileiros e italianos, com alguns franceses, e só. Que o valor máximo das opções seja de R$ 100,00 a garrafa, elevando assim o ticket médio a R$ 150,00 por pessoa, teto máximo aceitável deste segmento de mercado.

I miei auguri e buona fortuna a Costanza e Nicola.
EnoEventos - Oscar Daudt - (21)99636-8643 - odaudt@enoeventos.com.br